RUGIDO VERDE

Levantar e levantar de novo, até que os cordeiros se tornem Leões!

Domingo, Junho 23, 2024

A Pandemia Croquette, Não – As Claques, Sim!

Muito se tem ouvido nos últimos tempos que esta pandemia tem sido muito boa para o Sporting Clube de Portugal, e que este primeiro lugar na Liga NOS é resultante da ausência das claques no Estádio.

Como é possível alguém poder acreditar que a atual classificação se deve à falta das claques, quando são elas que mais contribuem para o espetáculo e mais se fazem ouvir no Estádio, no apoio aos jogadores!

As claques são quem dá animação ao espetáculo, quem dá brilho e cor. São elas que acompanham os jogadores de Norte a Sul do país, faça chuva, faça sol. Por que razão há esta tentativa de fazer das claques os patinhos feios dos adeptos do SCP?

Em Portugal não há interesse por parte da comunicação social em tentar fazer um trabalho de investigação sobre o fenómeno que são as claques. O jornalismo só está interessado em fazer um trabalho de intoxicação, e muito em particular sobre as claques do SCP, quando na verdade os reais marginais não são do SCP, como se tem vindo a provar.
 
É inacreditável como muitos dos sócios e adeptos do Sporting continuam a consumir e a acreditar nos soundbites dos cartilheiros e da comunicação social nojenta, mentirosa, manipuladora, ignóbil, e direi mesmo anti-Sporting. Com isto demonstram tudo menos qualquer respeito pelo SCP e pelos seus sócios e adeptos.

Há que salientar, e é inegável, que o Sporting é um grande clube, um enorme clube. Mas se assim o é, é porque, efetivamente tem muitos adeptos. Ora, se tem muitos adeptos, é porque foi conquistando títulos ao longo da sua história, e como é obvio, nos 22 títulos de campeão conquistados, tinha com certeza, atrás de si, a sua enorme massa adepta.

Não me lembro, e duvido muito que algum clube tenha ganho algum título por não ter adeptos no estádio. Só neste Sporting dos “diferentes” esta temática existe sequer.

Há um objetivo claro de ligar a violência das claques a Bruno de Carvalho, quando na verdade foi o único que conseguiu juntar as maiores claques do Sporting no mesmo sector do Estádio, numa autêntica demonstração de união em torno do clube. Tenta-se também colar a violência às claques do SCP (Alcochete), quando, ironicamente (ou não), a história mostra que o SCP já viu dois adeptos seus serem assassinados por adeptos do clube rival.

Ainda esta semana, numa reportagem da TVI, foi revelado que o Ministério Público acusou 37 adeptos do benfica da prática de 261 crimes violentos. Afinal quem são os verdadeiros criminosos e incendiários do desporto em Portugal? 

É evidente que, perante estes soundbites e tentativas de culpar as claques por tudo o que tem sido feito de mal neste clube nos últimos dois anos e meio, podemos concluir que afinal os jogadores que atualmente representam o Sporting não estão preparados para jogar num clube grande. Claro que esta conclusão é baseada na aparente opinião desta casta de adeptos do Sporting, que ainda não interiorizaram que os jogadores de futebol querem é jogar com público e para o público, que vibra com eles.

Há seguramente uma vontade enorme dos jogadores em jogar com publico, como recentemente alguns afirmaram, contrariando totalmente a premissa dos “diferentes”. É óbvio que o objetivo de todos os jogadores será sempre jogar com público. É óbvio que adoram a adrenalina de jogar em estádios cheios, e mesmo em climas adversos. Só na cabeça dos “diferentes” este primeiro lugar se deve à ausência das claques.

Afinal estes senhores, querem um clube sem adeptos ou um grande clube sem pressão? Decidam se, porque efetivamente não podem ter as duas coisas, sendo o SCP um grande clube, obviamente que haverá sempre pressão sobre os jogadores. Acredito e estou convicto que os chamados “diferentes” estão a adorar este paradigma no futebol, trazido pela pandemia. Veio mesmo a calhar…

Estamos perante uma clara tentativa de afastar as claques do SCP de vez. Já estou a imaginar o SCP sem claques, e a animação vinda da central. Haverá funerais com mais animação que os jogos em Alvalade. Imagino a tristeza nas feições dos jogadores ao jogarem somente perante os “diferentes”, a falta de apoio que os jogadores irão sentir. Nem quero imaginar os jogadores do SCP dependentes do apoio dos croquettes.

No seio da família croquette, e no seio desta Direção, existe a ideia de que a união de um clube começa com o comportamento dos seus adeptos, quando na verdade começa no comportamento dos seus dirigentes! Se existe atualmente um clima crispado, muito se deve a esta Direção pela forma desrespeitosa como trata os seus adeptos e sócios, que até os sapatos já os fez descalçar, num exercício humilhante, ridículo e inédito.

Em jeito de conclusão, podemos afirmar que a pressão está associada a qualquer tipo de desporto quando há, efetivamente, o objetivo de vencer. Quando não se tem essa mentalidade vencedora, não se pode representar o Sporting, e os sócios que não tiverem essa caraterística talvez devessem escolher outro clube e deixar o Sporting em paz.

Esta pandemia nunca poderá servir para tentar excluir do SCP quem já tanto deu a este clube, e o que esta direção está a fazer às claques será, com toda a certeza, o cavar da sua sepultura.

A história do SCP não pode ser apagada de forma tao leviana por pessoas como estas que agora nos representam, que não respeitam os Sportinguistas nem o honroso passado desta instituição.

Saudações Leoninas, e um bom ano novo para todos.

Artigos relacionados

Comments

  1. Paulo Vieira

    Muito bem. Está tudo dito em relação a estes merdosos golpistas e ao merdoso míope que se julga dono deste grande clube.