RUGIDO VERDE

Levantar e levantar de novo, até que os cordeiros se tornem Leões!

Segunda-feira, Agosto 08, 2022

Programa Eleitoral do Dr. Cristóvão Braz Janela #MungirOSporting

1. Missão

O meu projecto pretende “Unir o Sporting” aos sócios de bem. Queremos um Clube de gente que sabe estar, por isso deixaremos de fora do âmbito do Clube: os sportinguistas do povo; sportinguistas que recebam o abaixo do ordenado médio; sportinguistas que cheirem a sardinha assada ou lhes falte algum dente. Também excluiremos sportinguistas que no cadastro não tenham um histórico de terem burlado o estado, um banco ou alguma empresa em milhões. Isto é gente que não sabe ser proactiva nem nunca terá condições para chegar a “notável sportinguista”. Queremos sarar as feridas do passado e para isso comprometo-me e dou a minha minha palavra de honra em como não vou expulsar Bruno de Carvalho de sócio.

2. Zero Suspeição

A nossa proposta pretende dar continuidade ao compromisso da Direcção presidida por Frederico Varandas, de seriedade, de honestidade, de transparência, de decência, de ética, e de profundo respeito para com o Sporting Clube de Portugal e para com a sua inigualável, insuperável e inexcedível massa associativa de sócios de bem. E é com esse espírito que me comprometo a apresentar anualmente uma declaração dos rendimentos do Vieira e o património dele ao Conselho Fiscal e Disciplinar escolhido por mim e eleito na minha lista. Se Frederico Varandas prometeu cortar a mão no caso do Clube ser alvo de investigações judiciais no seu mandato, eu vou elevar a fasquia e prometo que se existirem buscas judiciais em Alvalade por algo cometido após a minha eleição, cortarei o cabelo.

3. Modalidades

Queremos, dando passos firmes e sustentáveis, com pragmatismo e sem demagogia, tornar o nosso Sporting Clube de Portugal, num crónico vencedor, em algumas modalidades desportivas.

Frederico Varandas herdou todas as modalidades campeãs nacionais, mas como já foi bem escalpelizado na íntegra comunicação social portuguesa, esses títulos foram conseguidos, fruto do medo que os atletas tinham do estilo truculento do anterior presidente, que só queria ganhar. Nós não vemos o desporto e a competição assim e neste aspecto também me identifico com Frederico Varandas, queremos uma maior distribuição de títulos por todos e não faz mal perder desde que seja com fair-play e glamour.

No mandato de Frederico Varandas foram extintas as modalidades, Ciclismo, Canoagem, Krav Maga, Padel, Remo, Ténis e Voleibol de Praia. O Futebol Feminino, Andebol e Voleibol não conquistaram nenhum título de campeão nacional, enquanto que o Futsal, Basquetebol e Hóquei em Patins conquistaram 1 campeonato cada. A nível internacional Varandas foi obrigado a seguir as conquistas iniciadas no anterior mandato, mas temos de rever esta situação, porque não queremos ser hegemónicos, porque isso não se enquadra na nossa visão ética de saber estar no desporto. Existem adversários que é preciso respeitar e dar espaço para brilharem também.

Nós comprometemo-nos a seguir esta linha, manter o ritmo de encerramento de modalidades, em particular modalidades de cariz mais popular e que não se enquadrem no nosso espírito elitista e de saber estar no desporto. Nas modalidades de pavilhão vamos dar continuidade à aposta prioritária no Basquetebol (menina dos nossos olhos e dos associados) e competir nas restantes sempre com o máximo respeito pelos nossos adversários. Se perdermos, que seja com glamour.

Relativamente ao Pavilhão João Rocha, temos a ideia inovadora de começar a alugá-lo para eventos da socialite portuguesa a meio da semana. Será uma forma indirecta e económica de retirar o cheiro a escumalha que fica entranhado no recinto após os fins de semana de dia de Sporting nas modalidades. Às terças, quintas e sextas, o recinto terá a designação de Pavilhão Paula Bobone.

O CROQUETTE HONESTO

4. Futebol Profissional

Não precisamos de uma pesada estrutura interna, defendemos continuar a apostar no modelo inovador de gestão outsourcing implementado por Frederico Varandas.

Varandas perdeu muito tempo durante duas temporadas a montar uma estrutura com cabeça, membros e pernas, com vários interlocutores, Team Managers, Head Scouts, líderes pelo exemplo e apostas nos melhores treinadores do mercado – Peseiro, Tiago Fernandes, Kaizer, Leonel Pontes e Silas – que não deram resultado. Tudo mudou quando entregou toda a gestão à Gestifute/Jorge Mendes, e em boa hora o fez. Quando se aposta nos melhores, mais honestos e credíveis do mercado, a sorte muda e passamos a ser acarinhados por todas as instituições e agentes do futebol, pela comunicação social, pelos amigos benfiquistas milagrosamente os resultados aparecem.

Rúben Amorim é o meu treinador, sempre foi e sempre será. Só não o indiquei a Varandas quando ele estava no Casa Pia, porque toda a gente sabe que é um clube que pede muito dinheiro pelos seus ativos. Varandas fez bem em esperar que chegasse ao Braga para o contratar. É um clube que nos dá totais garantias de realização de bons negócios. Quando não o puder ter como treinador, prometo que arranjarei substituto em apenas três tentativas, e se falhar, há sempre a possibilidade de contratar o treinador que na altura estiver à frente do SC Braga.

Por último, podemos anunciar que temos um pré-contrato assinado de uma época (mais outra de opção) com o único elemento da estrutura actual que interessa. Apesar do interesse de Benfica e Porto, conseguimos assegurar a permanência de Jorge Mendes no Sporting, por (pelo menos) mais um ano.

Relativamente aos passes dos jogadores, somos contra os clubes deterem a totalidade dos passes. O nosso modelo de negócio não é egoísta e visa distribuir dividendos pelo máximo de actores possíveis do submundo do futebol. Nunca se sabe quando vamos precisar deles.

Hino de Campanha

5. Scouting e Academia

5.1 Scouting

Vamos acabar com o gabinete de scouting para o futebol sénior. Para quê gastar dinheiro nesta área se temos o Famalicão e o Braga a fazer o trabalho por nós? Depois só temos de comprar os jogadores ao preço e nas condições que exigirem. Mas é compreensível e uma forma de lhes pagarmos o trabalho de prospecção, e assim facilitamos o trabalho a Jorge Mendes com as transacções dentro do carrossel.

5.2 Academia

Na Academia iremos oficializar uma parceria que já existe com a Gestifute/Mendes desde o fatídico e trágico dia da invasão. Não vale a pena esconder, fruto dessa parceria estratégica, Jorge Mendes continuará a ser o responsável pela gestão de carreiras de todos os atletas da Sporting Futebol SAD.

6. Comunicação e Sporting TV

6.1 Comunicação

Com a gestão desportiva e financeira da Sporting futebol SAD entregue à Gestifute/Mendes terei mais tempo para assumir a área da comunicação e propaganda do clube, a minha área vocacional. Vamos manter a actual parceria iniciada com Varandas com a comunicação social e serei eu próprio a produzir a cartilha com as narrativas que serão entregues aos pasquins desportivos e aos avençados nos jornais e TVs.

Para director de comunicação já temos um pré-acordo assinado com um sportinguista com V grande, um exemplo de classe e lucidez no panorama comentarista nacional: Octávio Machado

6.2 Sporting TV

A Sporting TV irá sofrer alguns ajustamentos na programação. Vamos ter novidades com um programa bi-diário com a presença da nossa glória Manuel Fernandes, que terá sempre a participação de um novo convidado para contar histórias sobre a sua vida desportiva. O programa será exibido às 12h30, “Almoço com Manuel Fernandes” e às 20h “Jantar com Manuel Fernandes” e decorrerá sempre em restaurantes diferentes que irão assegurar as despesas do programa em troca pela publicidade grátis oferecida.

Às segundas-feiras teremos um programa só de ataque ao FC Porto, onde eu próprio debitarei a cartilha. Com esta medida podemos dispensar o filho do fadista e poupar em salários.

A grelha terá mais dois novos programas inéditos de debate e pluralidade entre sócios sportinguistas. Às terças-feiras um conjunto de notáveis sportinguistas da alta finança darão testemunhos na primeira pessoa de como roubar o Estado e os contribuintes em milhões. Às quintas-feiras, será a vez de um grupo de notáveis advogados sportinguistas falar da sua experiência a auxiliar grandes empresas e garantir as melhores práticas para a fraude fiscal, criminalidade económica e financeira.

Em tom mais leve (e sofisticado) teremos também um bloco diário de etiqueta e bons costumes, proporcionado por esse ícone da alta sociedade chamado Lili Canecas.

Tudo boas razões para se sentar à frente da TV e se sentir em casa.

UM(A) JANELA SEM VARANDA(S)

7. Política de alianças

Ao nível das alianças, vamos manter o pacto de não agressão e de respeito mútuo com o SL Benfica, essa grande instituição com interesses coincidentes com os nossos e que se rege pelos mesmos padrões éticos e morais que nós. Para além disso é um clube vizinho com muitos amigos nossos e familiares. Não queremos contribuir para a desestabilização social e familiar.
O SL Benfica merece-nos toda a consideração como Varandas demonstrou, e bem, ao não recorrer do processo e-toupeira, que se tratou apenas de uma curiosidade infantil de dois adeptos que só queriam ter bilhetes para assistir aos jogos do seu clube.

O FC Porto manter-se-á como alvo a abater.

Manteremos também uma firme aliança com a Associação Nacional dos Cartilheiros Portugueses, que tantos frutos nos tem dado, na protecção do bom nome dos elementos dos corpos directivos leoninos.

8. Sócios, a Família Sporting

Frederico Varandas prometeu 200.000 Sócios em 2019 e ficou perto dos 100.000. Compreendemos o seu esforço mas nós seremos mais realistas e o nosso alvo será o adepto/utilizador pagador. Queremos mais utilizadores e menos sócios porque há sócios que são muito inconvenientes porque interessam-se verdadeiramente pelo clube e gostam de usar os recursos democráticos, como ir às AGs, ouvir com atenção, debater e apresentar propostas. Para fazer face a esta problemática todas as AGs passarão a realizar-se em dia de jogo, e propomos criar uma categoria de sócio especial para o adepto que só vai à bola naquele dia. O bilhete do jogo irá permitir ser sócio naquele dia e usar todo o seu conhecimento de bancada na análise da gestão, contas e assuntos internos do clube. Com esta medida defenderemos o clube de arruaceiros e aventureiristas e manteremos a linha de um clube da elite que sabe ser musculado para assegurar que a linhagem começada pelo nosso ilustre e nobre sportinguistas José Roquette nunca será interrompido e o seu desejo de entregar a SAD a um investidor privado ficará mais próximo de ser alcançado.

E SE CORRE MAIS OU MENOS?

9. Assembleia Gerais e Estatutos

9.1 Assembleia Gerais

Serão todas em dias de jogo, e para além das obrigatórias legalmente, haverá tantas, quantas forem necessárias até se obter o resultado que nos interessa.

A longo prazo pretendemos substituir as pouco dignificantes AG’s por reuniões de clubes de cavalheiros, onde apenas os sócios com pedigree poderão participar, elevando assim o bom nome da instituição.

9.2 Estatutos

Vamos propor uma alteração estatutária para vincular o Clube ao croquettismo. Temos de nos defender de aventureirismos de sócios vindos do povo que pretendem só ver o lado da defesa dos interesses do Clube. Nós vivemos num mundo global e temos de dar espaço aos nossos rivais e às milhares de pessoas que vivem deste negócio. O que seria dos outros clubes sem os nossos generosos negócios? E o que seria dos fornecedores, empresários e comissionistas deste país sem a nossa generosa contribuição? Para não falar do jornalismo. Queremos ver toda a gente contente, inclusive os nossos amigos adeptos de equipas rivais.

10. SAD e VMOCS

Maioria na SAD. Pretendemos garantir que o Sporting Clube de Portugal mantém a maioria do capital social da Sporting SAD, assegurando a recompra das VMOCS dentro de um quadro negocial que assegure um efetivo controlo dessa maioria.

Nesse sentido estamos de acordo com o empréstimo contraído à Apollo por Frederico Varandas para esse efeito, um fundo conhecido internacionalmente por ajudar empresas em situações complicadas. Os juros altíssimos que cobram são compreensíveis e podem-nos colocar num situação financeira ainda pior. Isso não será problema, porque o que interessa é recomprar as VMOCS, manter a maioria da SAD e assim calar os sócios. Depois dessa posição ser obtida à conta de uma dívida insustentável decerto que todos os sócios compreenderão que o melhor caminho será entregar a SAD a um privado para continuar a viabilizar a sua existência.

Artigos relacionados