RUGIDO VERDE

Levantar e levantar de novo, até que os cordeiros se tornem Leões!

Quinta-feira, Novembro 26, 2020

Mais de Dois Anos de Lavagem Cerebral da Comunicação Social Portuguesa

Desde que sou Sportinguista, e já lá vão alguns anos, não me lembro de ver em Portugal a comunicação social ter tanta influência na vida das pessoas, como na dos adeptos e sócios do Sporting nestes últimos dois anos.

No meu entender, por dois motivos:

1 – Falta de vitórias no futebol de forma mais regular, e muitos sócios não souberam ou não tiveram capacidade de filtrar as noticias e como é óbvio isso também pesou. Não acredito que se o Sporting andasse a ganhar campeonatos regularmente, a comunicação social tivesse esta capacidade de influenciar as pessoas.

2 – Tenho poucas dúvidas que houve um acordo celebrado entre esta administração do clube e uma grande parte dos órgãos da comunicação social para fazerem este papel de forma tão clara e objetiva, com claros benefícios para ambas as partes, mas com claro prejuízo para o Sporting.

Não há memória da comunicação social ter tido tanta influência num clube desportivo em Portugal, e por isso nunca o Sporting esteve tao dividido ao longo da sua história como atualmente, mesmo apesar de ser quase impossível haver unanimidade na vida de um clube tão grande e neste em particular, pelas já conhecidas fações que sempre existiram, muito embora numa escala muito mais pequena. 

É óbvio que a comunicação social estava ciente das fragilidades dos adeptos do Sporting após Alcochete e perante a situação souberam tirar proveito, fizeram o trabalho que lhes foi pedido, ou seja, de intoxicação e não de informação ou de investigação como seria desejável e aconselhável. 

É inegável que a comunicação social nunca teve a preocupação de tentar saber toda a verdade.

Não creio ser necessário voltar a falar no que aconteceu em Alcochete, toda a gente já sabe, apesar de serem muitos os que ainda têm uma interpretação diferente e muito desviada da realidade, e perante tudo o que nos foi dado a conhecer pelos testemunhos dos arguidos e das vítimas, e pela forma como todo o processo foi conduzido pelo ministério público, foi uma conjugação quase perfeita entre esta direção e a comunicação social.

Não é normal num clube que se quer grande a exclusividade de certas noticias ser dada a outros canais quando o Sporting tem um canal de televisão próprio, algo que foi claramente planeado desde 2018 e ainda hoje bem evidente como mais à frente iremos demonstrar .

Durante estes últimos dois anos a Sporting TV deixou de ter influência na vida dos sócios e adeptos do clube, deixou de ser o canal para os seus simpatizantes e passou a ser um canal passivo e de propaganda a esta direção e não ao clube como deveria ser a sua obrigação, porque foi esse o objetivo, o canal foi criado para fazer a ligação entre o clube e os seus sócios e neste contexto foi o Sporting e os Sportinguistas que ficaram a perder.

Em todo o processo de Alcochete, houve por parte destes dirigentes o objetivo claro de tentar agregar o maior numero de pessoas para o seu lado por dois motivos:
 
1- Havia muita coisa a esconder;
2 – Estavam convencidos que, com vitórias, as pessoas esqueceriam o golpe.

Contudo as vitórias não aconteceram, nem estão a acontecer e o golpe foi e, é, cada vez mais evidente.

Por exemplo nas exclusividades dadas à CMTV, foi notório que aquando da chegada dos agressores a Alcochete eles já lá estavam com as suas câmaras apontadas para o caminho de acesso à Academia, será que eles já sabiam o que iria acontecer?  

Porque razão as imagens de Alcochete foram tornadas públicas a conta gotas? Porque razão César Boaventura disse poucos dias antes que iria rebentar uma bomba para os lados de Alvalade? Porque razão nunca houve a preocupação dos órgãos de comunicação social tentar explorar estas declarações? Porque razão esta administração do Sporting não tentou também explorar estas declarações? 

Dito isto, e perante tudo isto penso que é bem evidente esse acordo entre esta administração e a comunicação social existe, com claro prejuízo para o clube em todas as vertentes, financeira, desportiva, reputacional, etc.  

Para melhor poder enquadrar esta narrativa, devo dizer que qualquer Sportinguista atento sabe do historial da comunicação social que durante anos e anos era de confrontação, direi mesmo até de guerrilha constante contra o Sporting de Bruno de Carvalho e tudo faziam para tentar denegrir o clube, muitas vezes com notícias falsas ajudando a criar a divisão no seio da família Sportinguista com objetivos claros, favorecer outros e tentar enfraquecer e dividir o Sporting. 

Foram anos em que a comunicação social desprezava o Sporting, ignorava, achincalhava, foram anos direi mesmo de gozo para como o Sporting e os seus adeptos.

Quem não se lembra dos jornais desportivos escreverem capas e cinco páginas sobre um determinado clube e duas sobre o Sporting?

Quem não se lembra de um presidente de determinado clube invadir os estúdios da SIC em direto e a preocupação do moderador em arranjar uma cadeira para a referida pessoa numa clara cena combinada?

Quem não se lembra das capas dos jornais a fazerem referência a outros clubes depois de ter sido o Sporting o clube que merecia vir nas primeiras páginas? Quantas primeiras páginas foram feitas a denegrir a imagem do Sporting e das suas direções para esconder o desastre desportivo de outros clubes?

Não vou dizer que durante esses períodos não houveram erros cometidos na forma de gerir o clube, claro que houve, mas eram notórios os objetivos da comunicação social, o controlo era feito através do compadrio e de influências como é muito usual em Portugal fazer aos dias de hoje com claros benefícios para outros .

Dito isto, não é normal que no Sporting atual e num clube onde sempre houve contestação ao longo da sua história, os contestatários Sportinguistas não tenham  voz em nenhum canal de televisão, sendo eles uma clara maioria, ao contrário do passado onde os órgãos da comunicação social tudo faziam, todos ouviam quem fosse contra as respetivas direções e muito em particular a ex-direção de Bruno de Carvalho.

Como é óbvio, e como se diz na gíria, “não há almoços grátis” e muito eu gostaria de saber quantos milhões a atual administração do Sporting terá pago para que a CS não dê voz a ninguém e em nenhum canal de televisão a quem diga mal deles, basicamente funcionam como escudos de proteção desta direção, quando estamos perante a pior direção do Sporting em 114 anos de história.

Como toda a gente sabe há um novo paradigma na comunicação social, os media tem mais dificuldades de sobrevivência, pelo facto de com as novas tecnologias e as redes sociais a notícia ser muito mais rápida, há sem sombra de dúvida novos mecanismos para se estar informado e ninguém hoje está para andar a comprar jornais como o Record ou a A Bola que vivem da mentira, da polémica, da especulação, dos interesses instalados e tudo fazem de forma a terem uma maior capacidade de sobrevivência. 

Porque razão o jornal A Bola que era considerada a bíblia do futebol português (não pelos sportinguistas claro) hoje tem tantas dificuldades financeiras e estão debaixo de fogo dos seus empregados por não terem ainda recebido o subsídio de férias?

Tendo em conta o historial da comunicação social relativamente ao Sporting e olhando para o trabalho miserável desta direção a todos os níveis, só pessoas sem memória e sem noção da realidade dos media portugueses ainda lhes dão alguma credibilidade relativamente a este Sporting.

Foi notório nestes dois últimos anos, desde o golpe ao Sporting e a Bruno de Carvalho o contributo dos media, através da forma especifica como escolhiam e ainda escolhem os seus comentadores para os seus painéis com objetivos claros: os de influenciar as pessoas de forma negativa de forma a retirar credibilidade a quem tinha dirigido o clube nos últimos cinco anos.

Devo dizer que de certo modo conseguiram, mas não na sua totalidade, por dois motivos:

1 – Ainda há Ssportinguistas que têm orgulho naquele que foi o presidente do clube entre 2013 e 2018 pelo excelente trabalho deixado no Sporting como se tem vindo a confirmar cada vez mais;

2 – Não se deixaram levar pela narrativa mal-dizente e sem fundamento, e sempre recusaram comer gelados com a testa durante estes últimos dois anos, apesar de diariamente nos tentarem adoçar a boca em todos os canais de televisão com noticias falsas.

Como todos sabem, não podemos deixar de considerar a influência que o desporto tem na vida das pessoas, e de ter em conta os aspetos económicos, culturais e até mesmo políticos que circulam à volta do mesmo e nesse sentido os media têm também um papel muito importante de influenciadores, que por sua vez conseguem grandes lucros como terá acontecido no caso de Alcochete.

Os media não só refletem, como moldam perceções e sentimentos, como tal têm capacidade para serem agentes de mudanças e comportamentos por estarem muitas vezes ligados a grupos de interesse, e neste sentido foram muito determinantes mais uma vez na vida do Sporting, só que desta vez com a contribuição de alguns sócios do clube que se deixaram influenciar negativamente com prejuízos de muitos milhões para a sua instituição. 

Podemos com toda a certeza afirmar que desta forma não há inocentes e culpados, houve e há objetivos claros conjuntos das duas partes com graves prejuízos para o Sporting, os únicos inocentes foram muitos sócios do Sporting, cabe a eles acabar com esta promiscuidade.

E para poder melhor enquadrar a narrativa que tive como objetivo explanar neste texto dou como exemplo o seguinte: há duas semanas atrás houve um programa na CMTV para falar sobre a crise do Sporting e um dos convidados era para ser um sócio que contesta esta direção. À ultima da hora (imagino porquê) o convite foi cancelado e foi substituído por outro, certamente mais alinhado.

Foram portanto quatro convidados todos eles escolhidos de forma criteriosa, devo dizer que dos quatro, três eram Sportinguistas (mas qual deles o pior?) e o outro não tem clube, é adepto de Jorge Jesus, o que mais uma vez confirmou o papel da comunicação social na vida do atual Sporting.

Não existem quaisquer dúvidas desta parceria entre Sporting e comunicação social, não é normal não haver direito ao contraditório, numa clara demonstração que os interesses do Sporting não estão a ser defendidos, houve com toda a certeza um pacto entre estas duas partes de forma a que a comunicação social faça o papel de propagandista desta direção.

Perante isto será que ainda restam dúvidas sobre o papel da comunicação social na vida deste atual Sporting? Quais os objetivos desta direção? Acordem Sportinguistas!

E agora um à parte: Rui Pinto terá vasculhado 27 mil vezes os ficheiros do Sporting durante o mandato da direção de Bruno de Carvalho, afinal nem tentativas de comprar juízes, árbitros, ou adeptos encontrou, Bruno de Carvalho mais uma vez a deixar o seu cadastro limpo durante a sua gerência, para tristeza de muitos Sportinguistas e não só.

É chato. 

Artigos relacionados

2 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Abel

Não vale a pena. Foi um BURRRRO a espreguiçar-se.

MiguelC

Dois anos de uma choradeira que parece não ter fim. Mas foi tão fácil tirar de lá o ditador coreano drogado gordo que vestia casaco de cabedal e fazia anúncios nos ecrãs , tambem será com certeza fácil de tirar estes biltres de lá. Os sportinguistas como raça superior conseguem o que quiserem.
Quiseram elegância e frases bonitas. Tcharam……. Aí a têm, agora sentem-se no sofá e apreciem o definhar de um grande enquanto vai desaparecendo. Mais dois aninhos e fica tudo encaminhado , não se preocupem 👌👌