RUGIDO VERDE

Levantar e levantar de novo, até que os cordeiros se tornem Leões!

Segunda-feira, Maio 25, 2020

Sporting vencedor numa partida assente em polémica

Vitória de Setúbal 1 – 3 Sporting

Depois da derrota caseira frente ao porto, o Sporting voltava ao campeonato para um jogo que se tinha tornado polémico devido a uma crise gripal que afetou cerca de 80% do plantel sadino. A equipa vitoriana pediu o adiamento desde jogo, mas a direção liderada por Frederico Varandas não atendeu ao pedido.

Silas manteve praticamente a sua equipa ideal, apenas com duas notas de destaque. A primeira devido à ausência de Marcos Acuña, apostando o treinador sportinguista em Borja para substituí-lo. O segundo destaque vai para a titularidade de Rodrigo Battaglia que assume, assim, o lugar que vinha sendo de Doumbia.

A primeira parte disputou-se a um ritmo bastante baixo, sem grandes oportunidades a destacar nos primeiros minutos. Embora com um ligeiro ascendente, o Sporting só consegue chegar com bastante perigo à área do Setubal aos 28 minutos…e logo com golo! Numa jogada que se inicia com Wendel, o médio sportinguista passa a bola a Bolasie que de primeira lança Ristovski no lado direito do ataque. O lateral direito, com algum espaço, cruza forte e rasteiro aparecendo o central vitoriano João Meira a colocar a bola na sua própria baliza.

Logo a seguir, aos 32 minutos, o Sporting consegue chegar ao segundo golo através de um penalty! O lance surge de um lançamento longo de Coates para Bruno Fernandes, que consegue ficar isolado, mas é agarrado de forma imprudente por Pirri que derruba o capitão leonino. O guarda-redes Milton Raphael ainda consegue adivinhar o lado e tocar na bola, mas Bruno Fernandes acaba mesmo por faturar o segundo golo da equipa.

Até ao final da primeira parte, pouco há a destacar. Justificava-se nesta altura a vantagem dos leões frente a um Vitória que não conseguia criar muitas dificuldades até ao momento a Maximiano.

A segunda parte começa da mesma forma que terminou a primeira. Um Sporting com mais iniciativa, mas sem carregar no acelerador, parecendo o jogo estar perfeitamente controlado.

Inesperadamente, aos 63 minutos, o Vitória reduz o resultado através de um grande golo de Carlinhos. Após uma perda de bola de Mathieu, a bola é passada a Carlinhos que aplica um pontapé fulminante a mais de 30 metros, com a bola a entrar no fundo das redes de Max, com o guarda-redes a parecer ter sido surpreendido com o remate.

O Vitória crescia no jogo e aos 74 minutos está mesmo muito perto do empate. Na sequência de um pontapé de canto, Carlinhos recebe a bola e cruza-a de imediato para a área aparecendo Guedes a cabecear à barra da baliza de Max. Na recarga o mesmo jogador cabeceia novamente, mas por cima da baliza do Sporting.

Já nos descontos o Sporting consegue resolver um jogo que estava complicado. Numa altura em que o Vitória de Setúbal tentava sair com rapidez para o ataque, o Sporting consegue ganhar a bola e sair num contra-ataque que seria letal. Coube a Rafael Camacho fazer a transição e servir da melhor forma Bruno Fernandes, que frente ao guarda-redes sadino conseguiu finalizar e encerrar definitivamente as dúvidas que ainda restavam relativamente ao resultado.

O Sporting conseguiu ganhar por dois golos de diferença, embora não tenha feito uma exibição de encher o olho. O Vitória de Setúbal, embora com algumas dificuldades resultantes da situação de saúde vivida por grande parte do seu plantel, soube lutar de forma digna conseguindo criar grandes dificuldades até aos 90 minutos.  

Análises Individuais:

Maximiano (Nota 5) – O guarda-redes do Sporting não esteve num plano particularmente positivo hoje. Fica claramente a impressão que não fez o suficiente no golo marcado pelo Vitória.

Ristovski (Nota 6) – Ao contrário do último jogo com o Porto, hoje o lateral foi assertivo e competente a defender. Esteve em destaque ao fazer o cruzamento que dá origem ao primeiro golo do Sporting.

Mathieu (Nota 5) – Estava a fazer um jogo seguro, mas infelizmente foi a partir de uma perda de bola do francês que surgiu o golo do Vitória de Setúbal.

Coates (Nota 6) – Esteve bastante seguro e é o central uruguaio que inicia o lance que dá origem ao penalty do 2-0 do Sporting, ao fazer o lançamento para a corrida de Bruno Fernandes. Recebeu um cartão amarelo que o impede de estar no derby com o benfica.

Borja (Nota 6) – Regressou bem à titularidade. Sentiu-se um Borja bastante disponível fisicamente, fazendo o corredor e subindo ao ataque de forma regular.

Battaglia (Nota 6) – Ainda está longe daquele Battaglia guerreiro que vai sem medo disputar cada bola dividida, mas ainda assim foi competente no capitulo do passe, capitulo em que é superior ao seu “concorrente” Doumbia.

Wendel (Nota 5) – Não esteve em particular destaque. O seu melhor momento foi quando iniciou o ataque que dá origem ao primeiro golo.

Bruno Fernandes (Nota 7) – Naquele que dizem ser o último jogo de Bruno Fernandes ao serviço do Sporting, o capitão leonino voltou a destacar-se ao marcar dois golos, um de penalty e o segundo em cima do apito final. Vai fazer falta a um plantel muito curto e sem qualidade.

Vietto (Nota 6) – Foi dos jogadores que mais rematou, embora sem a eficácia pedida. Saiu lesionado na segunda parte, o que coloca dúvidas na sua utilização no derby.

Bolasie (Nota 5) – Passou um pouco ao lado do jogo nos 77 minutos em que esteve em campo. Sobressaiu o papel positivo que teve no primeiro golo ao colocar de primeira a bola em Ristovski que, posteriormente, faz o cruzamento que origina o golo.

Luiz Phellype (Nota 5) – Não se viu Luiz Phellype em campo hoje. Não rematou nem procurou oportunidades. O Sporting precisa urgentemente de uma alternativa no eixo do ataque.

Rafael Camacho (Nota 6) – Camacho tem subido de produção desde a vitória em Portimão para a Taça da Liga. Hoje foi decisivo no terceiro golo do Sporting ao levar a bola até à área e servindo Bruno Fernandes que finaliza da melhor forma.

Pedro Mendes (Nota 5) – Estreou-se na Liga depois de uma incompreensível ausência da lista de inscritos no início da época. Hoje não conseguiu destacar-se.

Jesé Rodriguez (Nota 5) – Não se viu Jesé em campo praticamente.

Silas (Nota 6) – É uma vitória é verdade, mas o Sporting faz uma exibição bastante pálida perante um adversário fragilizado. Depois de alguns jogos em que se notou alguma evolução no jogo da equipa, hoje voltámos a ver uma equipa sem intensidade e em ritmo de treino. A distância dos dois primeiros classificados poderá explicar em parte essa questão, mas a verdade é que hoje esperávamos muito mais da equipa treinada por Silas.

Artigos relacionados