RUGIDO VERDE

Levantar e levantar de novo, até que os cordeiros se tornem Leões!

Quarta-feira, Maio 12, 2021

Neste dia… em 2001 – Sporting vence Benfica por 3-0 num jogo onde podia ter alcançado uma goleada histórica tal foi a superioridade

Atropelamento na 2º Circular

O SPORTING consolidou a sua posição europeia graças a um triunfo categórico sobre o rival de sempre, o Benfica. Desde os célebres 7-1 de 1986-87 (com quatro golos de Manuel Fernandes) que os leões não conseguiam, para o Campeonato, uma vitória tão robusta sobre os encarnados. Ontem à noite o resultado terá pecado, quanto muito, por escasso, tal foi a avalancha leonina que se abateu sobre uma aturdida equipa benfiquista.

Para já, o clube da Luz pode ter assinado, com o desaire frente aos leões, uma sentença histórica: a ausência das competições europeias. Os encarnados distam já seis pontos do lugar de acesso à UEFA e, provavelmente, Toni gastará os próximos quatro jogos a lançar bases para próxima época. Bem precisa. Aliás, um dos momentos do jogo de ontem foi protagonizado pelo treinador do Benfica. A meio da primeira parte, quando Miguel, infantilmente, não fez uma marcação, Toni esteve quase a entrar em campo, correu ao longo da linha lateral gesticulando freneticamente como seu pupilo e mostrou, naquele instante, a amargura que lhe vai na alma. Porque, perante tanta ingenuidade, não há treinador, por mais competente que seja, que resista. O Benfica que ontem saiu de Alvalade vergado ao peso de uma derrota justa, foi (e é…) infantil, imaturo, inexperiente; o que sugere a necessidade absoluta de uma revolução (evoluir na continuidade não basta), para que a temporada de 2001-2002 seja disputada com outras condições. Para já, esta época do Benfica fica para a história.

Do outro lado esteve uma equipa que ao longo dos 90 minutos marcou vincada superioridade em todos os aspectos do jogo. Se tivesse sido capaz de manter o nível exibicional ontem conseguido, ao longo da época, o Sporting, muito provavelmente, tinha sido um vencedor fácil do campeonato. Mas uma andorinha não faz a Primavera e os leões, embora tenham dado um passo importante rumo à UEFA e, simultaneamente, lavado a honra (os 3-0 da Luz, naquele que foi o jogo de despedida de Mourinho e Inácio), não podem estar satisfeitos com o que conseguiram em 2000-2001.

Na primeira parte, contra o vento, os leões procuraram amiúde as costas dos adversários, à espera que a bola travasse, facto que aconteceu em diversos momentos, lançando o pânico no atarantado sector recuado dos encarnados. Na segunda parte, a equipa de Manuel Fernandes, com o vento pelas costas, preferiu o passe curto e o jogo mais elaborado, e voltou a tirar partido dessa forma de actuar. É certo que o golo madrugador de Acosta foi um tónico excelente para os donos da casa.

Mas o que terá dado ao Benfica, que entrou verdadeiramente “anestesiado”, tanto na primeira parte como na segunda? Foi deveras impressionante. Até entrarem no jogo, os encarnados demoraram uma eternidade, enquanto os leões aproveitaram os espaços e as benesses para, a páginas tantas, darem a impressão de estarem a atropelar o adversário. Se ao Benfica se aponta o pecado da imaturidade, os leões tiveram o opositor ideal para fazerem gala da sua experiência. Mais consistentes que em ocasiões anteriores, graças à entrada de Beto para o meio campo, os pupilos de Manuel Fernandes interpretaram com grande “savoir faire” o 4X2X3x1. Acosta “segurou” bem os centrais e João Pinto (esteve quase a marcar…), Sá Pinto e Pedro Barbosa mostraram competência e classe, cavando um grande fosso para os adversários.

O árbitro JOÃO FERREIRA realizou um bom trabalho. Não se impressionou nem com o estádio nem com as camisolas, e tratou de apitar o que via, quase sempre de forma acertada. Em Setúbal, há mais um juiz de valor acima da média na forja.

Fonte: Jornal Record

Sporting-Benfica, 3-0 (ficha)

I Liga (30ª jornada)
29-04-2001 (21.30 horas)
Estádio José Alvalade, em Lisboa

Árbitro: João Ferreira (Setúbal) 
Árbitros assistentes: Luís Santos e Carlos do Carmo
4º árbitro: Luís Reforço 

SPORTING (4x2x3x1): Schmeichel; César Prates, Babb, André Cruz e Rui Jorge; Beto e Paulo Bento; Sá Pinto, João Pinto e Pedro Barbosa «cap.»; Acosta.

Substituições: Sá Pinto por Horvath, 70m; João Pinto por Rodrigo, 83m; Beto por Hugo, 85m

Suplentes não utilizados: Nuno Santos, Toñito, Mpenza e Spehar

Disciplina: cartão amarelo a Paulo Bento (10m) e André Cruz (76m)

Treinador: Manuel Fernandes


BENFICA (4x2x3x1): Bossio; Dudic, Fernando Meira, Ronaldo «cap.» e Diogo Luís; Chano e Ednilson; Miguel, Roger e Sabry; Van Hooijdonk.

Substituições: Roger por João Tomás, 60m; Sabry por Rui Baião, 65m; Ednilson por Maniche, 75m

Suplentes não utilizados: Moreira, Marchena, Paulo Madeira e Carlitos

Disciplina: cartão amarelo a Ronaldo (41m), Diogo Luís (48m), Fernando Meira (69m) e Ednilson (69m)

Treinador: Toni


Ao intervalo: 2-0

Marcadores: 1-0, Acosta (2m); 2-0, Pedro Barbosa (21m); 3-0, Beto (57m)

Resultado final: 3-0 

Data: 29/04/2001
Local: Estádioi José Alvalade
Evento: Sporting (3-0) Benfica, CN - 30ª Jornada

Artigos relacionados

Subscreva
Notify of
guest

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
0
Partilhe a sua opinião!x
()
x