RUGIDO VERDE

Levantar e levantar de novo, até que os cordeiros se tornem Leões!

Domingo, Setembro 20, 2020

Cunha(do)s, Aves de Rapina e Bananas

Já se ouviam rumores a respeito de um familiar de um membro do CD e da SAD que passaria a integrar a “estrutura” (um termo abstracto, abrangente, até para poder integrar o elemento preponderante: a infelicidade, perdão, a invisibilidade) de alguma forma. 

Nada que surpreenda após a ascensão do amigo informático de Frederico Varandas, André Bernardo, que nos tem deleitado com editoriais no antigo jornal do clube (agora panfleto de propaganda dos Órgãos Sociais) repletos de erros e chavões enfadonhos. Um apologista avant-garde das novas tecnologias, que nem o website e app conseguiu colocar a funcionar de forma digna, após tanta propaganda já fora de prazo com a reciclagem de bitaites como “casa de papel” e “idade da pedra”. Um autêntico George R.R. Martin (autor da saga Game of Thrones) das IT, que ainda usa um processador de texto obsoleto designado de WordStar 4.0 (de 1987) para escrever as suas obras. No caso de I-André, deve estar a usar um ZX Spectrum da infância, o que é uma ideia I-brilhante pois o talento é visivelmente I-semelhante. 

Os rumores, esses, acabaram por se confirmar. 

Momento Kit Kat: alternativa a excesso de Ferrero Rocher

Antes de prosseguir, chamo a atenção para mais uma saída da XVII versão da “fantástica estrutura invisível”, Beto, aka. Roberto Severo, que após uns dias parece já ter sido esquecida. Ninguém quis ou quer saber as verdadeiras causas; apenas a versão oficial passou para o exterior, tal como já sucedeu de forma recorrente noutros casos, com a excepção do ex-adjunto José Pedro (apenas graças a ter ficado registado em áudio). Podia também chamar a atenção para a alegada promiscuidade com um senhor que os Sportinguistas juraram ser de evitar a todo o custo, “por cima do meu cadáver!”, com a mesma veemência com que ele evita a PJ. Refiro-me, claro, a Luís Filipe Vieira, para quem sofrer de amnésia.

Será irrelevante, pois os adeptos diferentes disseram o mesmo a respeito de Jorge Mendes, o qual já está instalado de corpo e alma no clube, intermediando e metendo o dedo em tudo e todos pelas vias ocultas (para os cegos) habituais. Existem no entanto outras prioridades a desmentir/esclarecer:

Cunha(do)s

Bernardo Palmeiro, cunhado do senhor Zenha, foi oficializado pela via habitual, sem que no entanto tenha existido coragem da dita “imprensa livre” em concretizar os laços familiares, algo extremamente fácil. 

Tudo poderia ser relegado para segundo ou terceiro plano – poderá ter competência – não fosse o caso de existir precedente dessa mesma “imprensa livre” (não o é, é 3o mundista) em promover narrativas de nepotismo em manchetes, como foi o caso do ex-sogro do anterior Presidente. Mais, foi até alimentado pelo senhor presente na imagem seguinte.

Um advogado de peso chamado Rui Ornelas, que muito posteriormente (2/2018) integrou o reputado escritório de advogados MGRA, com o qual o SCP já trabalhava há anos. Escritório esse que se viu vilipendiado de todas as formas possíveis e imaginárias, com imensos dados falsos lançados em praça pública, optando por sair de cena sem responder com o devido contra-ataque legal, para não ver a sua boa reputação mais afectada numa guerra suja e cujo verdadeiro alvo era outro. Lamento isso: foi cobardia e falta de brio.

Felizmente, outros não se deixaram ficar, faltando saber se não desistiram no caminho inglório que é combater quem domina a “imprensa livre” no reino do faz-de-conta e utiliza todos os meios financeiros a seu belo prazer. 

Sporting: ex-administrador da SAD acusa Varandas de prestar informação falsa sobre pagamentos a advogados

Mais curioso foi ver a insinuação de um já conhecido pombo-correio da comunicação do SCP, João Lopes (existem outros, por exemplo Luís Mota, para não referir outras publicações), dourar a pílula dizendo que Palmeiro se recusara a trabalhar com Bruno de Carvalho. 

O próprio Bruno de Carvalho (Twitter: @BrunodC72) poderá confirmar ou desmentir caso lhe apeteça. Palmeiro não se recusou, no entanto, em trabalhar com o Leixões de Paulo Lopo – envolvido em escândalos como a operação Jogo Duplo, investigações, e tendo agora mão no Estrela da Amadora, clube para o qual recrutou André Geraldes. 

Rumor has it que a saída de André Geraldes do Farense não foi por vontade própria nem bonita, mas este recrutamento de Lopo não deixa de ser interessante, sobretudo quando o nome de Jorge de Jesus veio à baila na tomada de poder que se deu no Estrela da Amadora. 

Uma curiosidade extra: Paulo Lopo é amigo de Fábio Paim, tendo-o recrutado para o Sintra Football e Leixões no passado para “lhe dar uma mão”. A propaganda de Frederico Varandas acabou por correr mal, visto que pouco tempo após esta capa que se segue, Paim rumou ao LZS Starowice do quarto escalão da Polónia. Fica para a história mais uma cena de teatro patética. Varandas não só faz desaparecer quadros com o olhar, como faz desaparecer uma pessoa, qual Houdini.

Aves de Rapina

Palmeiro esteve envolvido no processo de um jogador – Mahmoud Abdel-Moneim “Kahraba” – que saiu de forma litigiosa do Zamalek SC (Egipto) com destino ao Desportivo das Aves, um clube que literalmente implodiu após uma série de negócios e negociatas de believers (alusão ao Galaxy Believers) que se podem resumir a um enorme cheque em branco pago pela Câmara Municipal. 

SAD do C.D. Aves avança para Processo Especial de Revitalização

O Zamalek SC acabou por afastar Bernardo Palmeiro do processo, por suspeitas de ligações ao Desportivo das Aves do advogado agora ligado ao SCP. 

Zamalek resort to the Italian school in the case of Kahraba because of Avish

Prosseguindo com as curiosidades, um colega de Palmeiro na firma 14 Sports Law, Luís Cassiano Neves, recentemente alvo de elogios por parte de Bruno Mascarenhas, além do envolvimento na Belenenses SAD, é também advogado da SAD do Cova da Piedade, liderado por um empresário Chinês já naturalizado (nascido na província de Fijian, apesar da alegada origem em Macau, desmentida pelo Macau Business) de nome Kuong Chong Long. Long estava ligado em negócios à famosa (o termo ideal seria o inglês infamous) SAD do Desportivo das Aves, SAD essa onde Cassiano Neves…desempenhou também o papel de assessor jurídico até há pouco tempo. Há que reconhecer que é um verdadeiro multitasker.

Será também Bernardo Palmeiro uma ave de rapina? Ou será que o Zamalek SC se enganou no afastamento? 

O jogador referido inicialmente acabou condenado ao pagamento de 2 milhões de dólares ao clube egípcio pela rescisão unilateral. 

FIFA fine Egypt’s Kahraba $2 mln for unilaterally terminating contract with Zamalek

Garcia” Palmeiro

Não deixa de ser igualmente interessante que o cunhado do senhor Zenha tenha manifestado em dois artigos no Diário de Notícias, em 2018, uma vontade notável em mostrar o caminho para as rescisões de atletas. Primeiro, devido ao comunicado em Abril, o que é alucinante e mostrou uma estranha sede em alimentar um determinado rumo.

Segundo, numa fase posterior, sugerindo a não presença dos atletas no Jamor para darem força às intenções.

Relembro que só semanas depois foram oficializadas as rescisões copy&paste políticas, a conta-gotas – as quais trouxeram enormes ganhos financeiros aos participantes – e que conduziram Frederico Varandas, Rogério Alves e Zenha, entre outros, ao poder. São coincidências surpreendentes.

Existe uma peça do puzzle ainda por apurar, e que vai além dos envolvimentos óbvios e já divulgados de quem sofre da incontinência da mentira e de quem providenciou assessoria jurídica. Quem foi o dirigente que internamente deu garantias, tendo confiança para tal numa secção que se encontra na SAD, e incentivou rescisões? A resposta terá de ser dada.

Bananas

Parceiros servem para isso mesmo. Não para informar bem o leitor, mas para passar o que interessa fazer passar a quem dá uma mão ou uma peça de fruta. Amiúde duvido que exista essa capacidade em informar bem, mesmo que existisse vontade, pois o “jornalismo” desportivo nacional é o parente pobre (qualitativo) da profissão por (de)mérito próprio, por complacência e por conivência. Parente pobre esse que ocupa quase todo o espaço mediático com um ruído infindável, spin e spam, o que tornou Ricardo Costa (SIC/Expresso) num porta-voz de demagogia  quando procurou chamar a si uma causa de desintoxicação, que mais não foi do que meramente estética. A burrificação do público em geral continua, e ultrapassa largamente o âmbito desportivo: é uma forma de definir agendas de debate e discussão, ocultando outras. 

Daí o justo mérito dado aos pouquíssimos resistentes à mediocridade dominante – é todo um feito demonstrativo de verdadeira boa educação, brio e carácter. Existem demasiados “posers“, algo também visível nos alegados adeptos diferentes do clube, um que espelha muito bem a realidade nacional onde impera o faz-de-conta. É algo que genuinamente abomino. 

Cada macaco no seu galho com as suas limitações, sejam elas de ordem hierárquica ou intelectual (por vezes quem parece mais culpado não passa de vítima, conivente ou inconsciente, tenham sempre isso em consideração), mas há quem tente agarrar-se a todos esses galhos e não se canse em fazer a apologia da banana, em nome de umas cascas que acabam por apanhar, de cócoras, no chão. Depois não se queixem se o tombo for grande. Vale mesmo a pena, por uma caridade humilhante? 

Cada um deixa nesta curta vida o legado que entende.

Artigos relacionados