RUGIDO VERDE

Levantar e levantar de novo, até que os cordeiros se tornem Leões!

Sábado, Setembro 19, 2020

Resumo de uma época de descalabros para Varandas

Esta foi uma época meticulosamente preparada e antecipada, como foi público pelo próprio, o presidente Varandas e sua equipa de trabalho. Preparação essa que vinha desde o mercado de Janeiro de 2019, segundo ele. Muitos jogadores entraram (já vai em mais de 70 Milhões em contratações) e muitos saíram (fala-se em cerca de 200 Milhões). Uma coisa é certa, o plantel em Setembro de 2018 era claramente muito superior à data de hoje.

Vimos uma pré-época vergonhosa, sem qualquer vitória e até com a derrota no Troféu 5 Violinos. Assim que começou a época veio uma derrota humilhante por 5-0 frente ao eterno rival em que Varandas disse que não estava preocupado.

Logo após algumas jornadas, o treinador Marcel Keizer, que era anunciado como o do Projeto acabou despedido. Foi contratado Leonel Pontes em que o insucesso à frente da equipa é conhecido. Uma aposta completamente falhada.

Com o aproximar do julgamento de Alcochete, Varandas abre uma nova guerra, desta vez com as claques. Corta os protocolos assinados (em que tinha perdoado uma dívida de 550 mil euros à Juventude Leonina) com as duas maiores claques do Clube: Ultras Directivo XXI (DUXXI) e Juventude Leonina (JL). Na sua tática desesperada havia que se fazer uma colagem que tinham sido as claques as responsáveis pelo ataque à Academia. Tal como em tribunal foi visto que foi sobretudo por Casuals. Fica a questão, Frederico Varandas sabia?

Os seus amigos Diogo Amaral (Tusta) e Pedro Silveira (Barbini) foram mais tarde a tribunal, visto que estavam nos grupos de WhattsApp dos invasores da Academia. Ou seja, pelos vistos sabiam da invasão. Fica a pergunta se Varandas, o próprio, sabia da invasão. Investigue-se.

Mesmo no fim de Setembro Silas é anunciado como treinador do Sporting. Durante o seu período o Sporting é eliminado da Taça de Portugal com uma derrota vergonhosa por 2-0 com o Alverca que militava no 3º escalão dos campeonatos portugueses. Vieram até notícias que o Sporting queria ganhar na secretaria, mesmo aí o Varandas é derrotado.

Na Taça da Liga o Sporting consegue um apuramento bastante suado num grupo acessível (Rio Ave, Portimonense e Gil Vicente). Nas meias finais é eliminado pelo Braga.

Nas competições internacionais o Sporting teve o grupo mais fácil de todas as equipas portuguesas (PSV, LASK Linz e Rosenborg) e consegue uma passagem em 2º lugar. Mas com os turcos do Basaksehir tem a sua primeira derrota histórica na Turquia e acaba eliminado da prova.

No campeonato pode-se falar numa campanha desastrosa. Havendo alturas em que chegou a estar em 5º, na recta final estava em 3º lugar e na última jornada cede e termina em 4º lugar. Foi o ano com mais derrotas na história do Sporting, 17. Sem falar na contratação de Ruben Amorim por 10 milhões de euros (com juros e demoras vai em 14 Milhões de euros).

Foi também um ano em que assistimos às assistências mais baixas em Alvalade. Foi o ano em que crianças, idosos, mulheres, tiveram de entrar descalços nos estádios (aqui devido à guerra que tinha aberto com as Claques).

Sem esquecer as duas maiores manifestações de sempre contra uma direção de um clube desportivo. Foram mais de 7 mil pessoas em cada manifestação.

Nem me vou explanar sobre o “Alcochete Sempre” ou as supostas agressões no Edifício do Multi Desportivo. Ambos os casos serviram para achincalhar as Claques e curiosamente ninguém foi preso e há até quem defenda que são casos encomendados. Com esta gente eu espero tudo, sou sincero.

Foi também o ano de recontagem do número de sócios em que se constatou a perda de quase 90 mil sócios, ou seja, mais uma derrota.

Fica a nota também para a recusa de se realizar uma AG destitutiva por parte de Rogério Alves. Aceitou as assinaturas, é verdade, mas achou que os pontos de destituição foram adicionados em momentos diferentes quando as pessoas assinaram. É curioso porque isto aplicado à AG destitutiva de BdC tem que se lhe diga. Fica a nota que Rogério Alves não está para representar os sócios, está sim para proteger estes Órgãos Sociais.

Curiosamente as maiores derrotas de Varandas não foram as desportivas. Foram em Tribunal.

Vimos uma aposta bem alta de Varandas ao tentar manipular a opinião pública e mesmo a mentir em Tribunal. No caso de Alcochete foi uma derrota colossal. A Bruno de Carvalho, Nuno Mendes e Bruno Jacinto foram retiradas todas as acusações. Foi provado em tribunal que nada tiveram a ver com o ataque à Academia. Fica claro a questão… se não foram eles, quem foi então? Entre outras questões como já foi explorado em vários artigos aqui no Rugido Verde.

Como também assistimos à derrota de Varandas no TAD no caso de Rafael Leão. Como é público, Rafael Leão foi punido em indemnizar o Sporting em 16,5 Milhões de euros porque não tinha justa causa ao rescindir com o Sporting. Sim, derrota de Varandas, leu bem. Não esquecer que Varandas foi ao TAD testemunhar a favor de Rafael Leão e CONTRA o Sporting. Basta ler o Acórdão da decisão final para saber isso. Uma vez mais a imprensa fez-se de cega, surda e muda.

Claro que podemos extrapolar que todos os outros não tinham também justa causa. Comparando os valores, Rafael Leão é até o jogador que indemniza mais o Sporting. Sem comissões e em tribunal fica a pergunta de quantos milhões o Sporting foi lesado sob as decisões de Varandas.

Houve até uma opinião em que pedia o perdão a Rafael Leão. Eu vou mais longe, se alguém merece perdão é Bruno de Carvalho e Alexandre Godinho!

Temos então um ano recheado de derrotas de Varandas. Todas as suas mentiras vão sendo descobertas.

Agora a necessidade é o i-voting e uma eleição com segunda volta. A tentativa de perpetuação no poder está em curso. O i-voting é claramente uma alternativa insegura e que só deu problemas a quem a tentou implementar. Uma medida que asseguraria a intervenção de todos a meu ver seria abrir urnas em todas as capitais de distrito por exemplo. Ou Inicialmente em cada região: Norte, Beiras, Lisboa, Alentejo, Algarve, Madeira e Açores, por exemplo.

A AG do orçamento que teria de ser marcada pelos estatutos em Junho foi adiada para Setembro (ao abrigo da lei devido ao Covid-19). Para Rogério Alves e companhia esta AG não é importante pelos vistos. Importante é o i-voting – veja-se o panfleto de propaganda desta direção naquele que historicamente era o jornal do Clube.

Eu só desejo que seja mais uma derrota do Varandas e sobretudo do Rogério Alves que é quem tem mantido isto tudo possível.

Não vou exigir que se demitam, porque já está mais que visto que nunca o farão. Vou simplesmente falar ao simples sócio: ACORDA

Artigos relacionados