RUGIDO VERDE

Levantar e levantar de novo, até que os cordeiros se tornem Leões!

Quinta-feira, Abril 02, 2020

Empate nos Arcos não satisfaz ninguém

O Sporting jogava hoje um jogo complicado, num terreno tradicionalmente difícil frente ao Rio Ave em Vila do Conde. Mais árduo se tornava com as ausências por castigo ou lesão de três dos habituais titulares da equipa, Acuña, Mathieu e Vietto.

Desta forma, a equipa de Silas iniciava o jogo com as introduções de Borja e Neto na defesa, um meio campo defensivo sem Battaglia e com Doumbia e Eduardo e um ataque com Camacho, Sporar e o regressado Bolasie, jogador que não entrava a titular há alguns jogos.

O jogo não podia começar da pior forma para o Sporting. Logo no primeiro minuto a equipa vilacondense chegava à vantagem. Na insistência de um pontapé de canto, a bola chega novamente a Filipe Augusto que faz um segundo cruzamento longo, aparecendo Al Musrati a fazer a assistência de pé esquerdo para a finalização sem oposição de Lucas Piazon. Muito fácil.

O Sporting só aos 7 minutos é que conseguiu responder, ironicamente através de um central, Coates. Numa jogada “à Messi” o central uruguaio consegue arrancar do meio campo, passar por três ou quatro adversários e só pára em frente ao guarda-redes Kieszek, quando Matheus Reis consegue cortar a bola e quase faz auto-golo, valendo a defesa do guardião polaco.

Aos 15 minutos é novamente o Rio Ave a estar perto do golo. Numa jogada muito bem desenhada, a bola é cruzada do lado direito do ataque vilacondense chegando a Diego Lopes. O futebolista brasileiro, consegue servir Nuno Santos da melhor forma, mas em frente a Max, o guarda-redes do Sporting leva a melhor e consegue defender o remate.

O Rio Ave estava claramente por cima do jogo, contudo, foi o Sporting que esteve perto do empate aos 36 minutos de jogo. Mais uma vez numa jogada individual, Eduardo Henrique consegue “livrar-se” da marcação dos meiocampistas vilacondenses e de muito longe faz um remate muito forte com a bola a bater com estrondo na barra.

Até ao final da primeira parte continuámos a ver o Rio Ave a jogar mais e melhor, mesmo sem criar grandes oportunidades para dilatar o marcador. No entanto, a vantagem ao intervalo era perfeitamente ajustada para o que se tinha visto em campo.

A segunda parte decorreu grande parte do tempo sem grandes oportunidades. As equipas equilibravam-se, mas sem chegar com grande perigo à baliza alheia.

Aos 70 minutos tivemos uma grande contrariedade para o Sporting. Num rápido contra-ataque do Rio Ave, a bola chega a Taremi que com bastante espaço no ataque e só com Coates pela frente, é aparentemente derrubado pelo central leonino. Já com um amarelo, o central acaba por levar o segundo cartão e ser expulso.

Ainda assim, aos 82 minutos, o Sporting consegue ganhar um penalty, decisivo para o resultado final no encontro. Num lance protagonizado por Bolasie, o extremo congolês acaba derrubado por Borevkovic e o árbitro Fábio Veríssimo assinala imediatamente o castigo máximo. Na marcação, Jovane Cabral finaliza para o lado contrário do guarda-redes e empata o jogo.

A última oportunidade do encontro pertenceu ao Rio Ave aos 89 minutos. Novamente a equipa vilacondense aproveitou alguma passividade defensiva do Sporting e chegou com muito perigo à baliza leonina. Após uma jogada de combinações rápidas, a bola chega a Piazon que vê Carlos Mané em boa posição do lado direito do ataque e passa-lhe a bola. Frente ao guarda-redes Max, o jovem guardião é muito rápido a sair da baliza e consegue fazer uma mancha perfeita salvando o golo.

Terminou o jogo e o Sporting volta a fazer uma exibição muito aquém dos pergaminhos do clube. Muita lentidão e desinspiração levaram o Rio Ave a ter o domínio claro em grande parte deste encontro. É com alguma felicidade que o Sporting conquistou a grande penalidade na parte final do encontro e chega ao empate, caso contrário teria terminado o jogo na quinta posição.


Análises Individuais:

Maximiano (Nota 6) – Foi novamente dos jogadores com mais trabalho. Não teve responsabilidades no golo e ainda conseguiu duas intervenções importantes, aos 15 e aos 89 minutos.

Borja (Nota 5) – É um jogador sem confiança e por isso arrisca muito pouco. Não conseguiu parar alguns ataques dos avançados rápidos do Rio Ave. A nível ofensivo apenas nota para um remate por cima aos 57 minutos.

Neto (Nota 6) – Foi dos jogadores mais competentes da equipa hoje. Teve ações defensivas importantes para manter o Sporting no jogo. Destaque para um corte aos 59 minutos num remate perigoso de Diego Lopes.

Coates (Nota 5) – Num jogo muito complicado e com muito trabalho, Coates até estava a conseguir fazer alguns cortes importantes na defesa. Foi também a partir de uma jogada individual do uruguaio que o Sporting teve uma das melhores oportunidades na primeira parte. Infelizmente acabou expulso aos 70 minutos, não podendo contribuir para o jogo da equipa na fase final do encontro.

Ristovski (Nota 5) – Jogo mediano do lateral direito do Sporting. A espaços conseguiu subir mas teve muito mais trabalho a nível defensivo. Nem sempre conseguiu suster as incursões de Taremi ou Filipe Augusto.

Doumbia (Nota 5) – Esteve 75 minutos em campo e não trouxe nada de muito positivo ao jogo leonino.

Eduardo (Nota 6) – Aparentemente ganhou uma nova vida e hoje até esteve bastante razoável. Foi pressionante a meio campo e ganhou algumas bolas divididas. Teve a melhor oportunidade do Sporting no encontro, quando remata uma bomba à barra da baliza adversária na primeira parte.

Wendel (Nota 5) – Bastante apagado hoje. Não conseguiu transportar a bola para o ataque e isso prejudicou imenso o Sporting a nível ofensivo.

Camacho (Nota 4) – Uma nulidade. Já mostrou alguns pormenores interessantes ao longo da época, mas ultimamente não tem demonstrado que está preparado para ser titular. Hoje entrou de inicio mas o melhor que se viu foi um cabeceamento torto aos 19 minutos a cruzamento de Ristovski.

Bolasie (Nota 5) – Jogo desinspirado do extremo leonino, à exceção do lance em que é derrubado na área do Rio Ave e ganha o penalty que dá o empate ao Sporting.

Sporar (Nota 5) – Fez os primeiros jogos com muita vontade e luta, mas parece aos poucos estar a ficar afetado pela letargia geral da equipa. Hoje pouco se viu dele.

Jovane Cabral (Nota 6) – Tem entrado bem e já merece uma oportunidade a titular. É ele que marca o empate na marcação de uma grande penalidade.

Gonzalo Plata (Nota 5) – Entrou aos 75 minutos para tentar refrescar a frente de ataque, mas não teve muitas oportunidades de mostrar serviço.

Battaglia (Nota 5) – Entrou, tal como Plata, a 15 minutos do final, e ajudou a trancar o meio campo.

Silas (Nota 5) – Mais um jogo fraco do Sporting. Mesmo condicionado com ausências o Sporting tem sempre que produzir muito mais do que o que vimos hoje em campo. A primeira parte, salvo jogadas individuais, a equipa leonina não conseguiu chegar à área adversária e na segunda parte pouco melhor foi, acabando por haver alguma felicidade a chegar ao empate.

Artigos relacionados

Notify of
Von
Visitante
Von

O normal este ano equipa medíocre onde se notou a falta de três dos poucos jogadores medianos da equipa uma vez , que o resto é entulho ao nível do Aves , Tondela , Paços de Ferreira . O mais provável este ano e acabarmos em 4º ou 5º a mais de trinta pontos de Porto e Benfica .

%d bloggers like this: