RUGIDO VERDE

Levantar e levantar de novo, até que os cordeiros se tornem Leões!

Quinta-feira, Maio 28, 2020

Descalabro em mais uma noite cinzenta da época leonina.

Braga 2-1 Sporting

A vida não tem estado fácil para a equipa de Jorge Silas. Com meia época feita (mais coisa menos coisa) o Sporting já há muito que está afastado dos lugares cimeiros do campeonato. O jogo de hoje, para a meia final da Taça da Liga, abria uma perspetiva interessante para tentar não terminar a época em branco.

Para este jogo o treinador sportinguista apostou de forma notória num reforço da solidez a meio campo, com uma dupla defensiva composta por Doumbia e Battaglia. No ataque, Bruno Fernandes, Camacho e Luiz Phellype eram os homens escolhidos para fazer a diferença. Nota na defesa para o regresso de Coates, uma boa noticia para a consistência defensiva.

Logo aos 2 minutos a equipa da casa deu o seu primeiro aviso. Após uma recuperação de bola a meio campo por parte do Braga, o esférico chega a Paulinho que a cerca de 30 metros opta pelo remate, com a bola a passar rente ao poste esquerdo da baliza de Max.

Com uma entrada mais acutilante, aos 8 minutos, a equipa minhota chega mesmo à vantagem. Após uma nova transição falhada da equipa leonina, a bola chega a Paulinho que combina rapidamente com Fransérgio e este serve de imediato Ricardo Horta. O atacante português já dentro da área remata em arco de forma perfeita com a bola a entrar na baliza junto ao poste mais distante de Maximiano.

Após o primeiro golo, apenas aos 25 minutos surgiu o primeiro remate do Sporting por Bruno Fernandes. O capitão leonino, em posição frontal, viu uma boa oportunidade para rematar de longe, mas a bola acaba por sair ao lado da baliza adversária. Pouco depois, aos 29 minutos, uma grande oportunidade para o Sporting. Após uma perda de bola comprometedora do Sporting de Braga, numa altura em que a equipa minhota estava toda lançada no ataque, Camacho recupera a bola e consegue arranjar espaço suficiente para rematar com muito perigo, com Matheus a destacar-se com uma excelente intervenção. Logo a seguir, na sequência de um canto, é a vez de Doumbia rematar na ressaca, com a bola a sair muito perto da baliza do Braga.

Pouco antes do intervalo, aos 43 minutos, o Sporting chega ao empate! Após uma falta sobre Wendel, Bruno Fernandes marca de forma rápida o livre, apanhando a defesa adversária em contrapé. A bola chega a Mathieu que frente a Matheus não perdoa e empata a partida. Excelente timing!

No último lance da primeira parte, a equipa da casa fica muito perto de regressar à dianteira do marcador. Após uma falta de Coates a Galeno já muito perto da grande área, João Novais remata de pé direito com a bola a passar muito perto da barra da baliza de Maximiano.

Chegava ao final a primeira parte, com um empate que se justificava perfeitamente. Começou muito melhor o Sporting de Braga, a conseguir marcar logo aos 8 minutos, mas chegando mais algumas vezes com perigo à baliza leonina. A meio da primeira parte o Sporting equilibrou o jogo e consegue mesmo chegar ao empate já no final, não sem antes ter criado alguns lances de aflição junto da baliza minhota.

A segunda parte começou com uma substituição por parte do Sporting. Não estava satisfeito Silas com a pouca profundidade no ataque e, como tal, optou por colocar o avançado Bolasie em detrimento do centrocampista Doumbia. Esta substituição seria uma das chaves deste encontro como veremos mais adiante.

O Braga começou bastante melhor que o Sporting, tal como na primeira parte. Logo aos 49 minutos Fransérgio está próximo do segundo golo com um remate muito perigoso, mas com a bola a ser defendida por Maximiano.

O Sporting respondeu imediatamente através de uma bola parada. Na sequência de um canto batido por Bruno Fernandes, a bola é cabeceada por Battaglia, com o guarda-redes Matheus a fazer uma grande defesa.

Pouco depois, uma dupla oportunidade para a equipa “arsenalista”. Primeiro Tormena aos 56 minutos. Numa jogada que resulta de um canto, o Sporting não consegue afastar a bola definitivamente e a mesma acaba por chegar a Tormena, que em boa posição remata com grande perigo ao lado da baliza de Max. Logo a seguir, aos 58 minutos, é a vez de Ricardo Horta criar muito perigo. Após uma jogada de contra ataque perfeita, inicialmente conduzida por Paulinho, o avançado serve Ricardo Esgaio no corredor direito. O ala direito vendo a entrada de Ricardo Horta na grande área coloca-lhe a bola e o avançado ficou de novo muito perto do golo, atirando ligeiramente por cima.

Dois minutos depois o Sporting teria uma grande contrariedade no jogo. Bolasie foi expulso com vermelho direto, após uma entrada sobre Sequeira. O árbitro Nuno Almeida inicialmente tinha dado apenas falta, mas perante o aviso do VAR, foi ver as imagens e decidiu-se pela expulsão do congolês, que deixou assim o Sporting em maus lençóis.

A partir deste momento a partida passou a ter praticamente um sentido único, com o Braga a atacar em busca do segundo golo e o Sporting a tentar tapar todos os espaços possíveis, apostando em chegar empatado ao final do jogo e disputar as grandes penalidades.

Já depois de Galeno ter deixado um sério aviso aos 83 minutos, ao rematar ligeiramente ao lado, o Braga consegue mesmo chegar à vantagem com o relógio a bater nos 90 minutos. A equipa minhota já tinha tentado muitas vezes chegar ao golo através do cruzamento, mas quase na última jogada do encontro consegue mesmo finalizar o lance. A jogada é iniciada em Esgaio que coloca a bola ao segundo poste, Raul Silva ganha de cabeça e acaba por servir Paulinho que marca o golo da vitória.

Até ao final destaque para uma grande confusão no relvado, após um lance de Mathieu, em que o central francês acaba por ser expulso. O jogo acabou e o Sporting escreveu mais uma página muito cinzenta numa época que já estava a ser desastrosa. A 19 pontos do primeiro classificado na Liga, com eliminações na Taça de Portugal e Taça da Liga, resta a improvável Liga Europa para dar alguma esperança aos adeptos leoninos.

Análises Individuais:

Maximiano (Nota 6) – Seguro, embora esteja a sofrer golos em praticamente todas as partidas que faz. Não tem sido por sua culpa normalmente.

Acuña (Nota 5) – Foi um Acuña guerreiro, mas inconsequente. Conseguiu defender de forma competente mas praticamente não o vimos no ataque.

Mathieu (Nota 5) – Não fosse a expulsão já no final do encontro e Mathieu mereceria certamente uma melhor nota. Foi mais uma vez um dos melhores da equipa e marcou mesmo o golo do empate no final da primeira parte.

Coates (Nota 6) – Ainda bem que regressou. É um jogador que faz falta e hoje foi dos melhores do “onze” leonino. Ganhou bastantes duelos e aliviou a bola quando foi necessário fazê-lo.

Ristovski (Nota 5) – Esteve algo faltoso, uma das suas principais características. Faltou dar um maior apoio ofensivo.

Battaglia (Nota 6) – Fez 90 minutos embora ainda não tenha andamento para tal. É um jogador melhor (claramente) que Doumbia e em condições normais será titular do Sporting proximamente. Esteve perto do golo num cabeceamento aos 52 minutos.

Doumbia (Nota 4) – Mais um jogo em que não existiu. Não conseguiu estancar as iniciativas de transição do braga e o ponto mais positivo dos 45 minutos em que esteve em campo, foi um remate com perigo aos 32 minutos.

Wendel (Nota 6) – Foi dos melhores jogadores em campo, pelo menos na primeira parte. Foi o único jogador capaz de sair rapidamente em transições.

Bruno Fernandes (Nota 6) – Já teve melhores dias mas mais uma vez teve influência no jogo do Sporting. Foi o capitão que assistiu Mathieu para o golo do empate.

Rafael Camacho (Nota 5) – Não esteve tão exuberante como em jogos passados. Ainda assim criou uma boa oportunidade aos 30 minutos, em que remata para uma boa defesa do guarda-redes adversário.

Luiz Phellype (Nota 4) – 70 minutos perdidos já que não apareceu em campo.

Bolasie (Nota 3) – Péssimo. Entrou na segunda parte e ficou inevitavelmente marcado pelo lance em que é expulso por entrada sobre Sequeira, que prejudicou de forma decisiva a equipa.

Neto (Nota 5) – Veio dar alguma experiência e solidez à defesa nos últimos 20 minutos, não obstante o golo sofrido já em cima dos 90 minutos.

Silas (Nota 4) – Erro de casting ao apostar num sistema com dois médios de contenção. Assumiu o erro e tirou Doumbia ao intervalo, mas a opção por Bolasie também não foi nada acertada. Já teve dias mais felizes no Sporting Jorge Silas.

Artigos relacionados

2 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
CroqueteDeLeitão

Simpatico o 3 para o Bolasie quem em 16m tocou 4x na bola, teve 2 passes precisos e 4 duelos…

De resto boa análise.

Mofli10

O título já diz tudo, um descalabro!

2
0
Partilhe a sua opinião!x
()
x