RUGIDO VERDE

Levantar e levantar de novo, até que os cordeiros se tornem Leões!

Segunda-feira, Outubro 26, 2020

Neste dia… em 1965 – Poker de Lourenço no Estádio da Luz

João Lourenço apontou 150 golos em 232 jogos oficiais pelo Sporting, mas o que realmente lhe garantiu um lugar para sempre na memória leonina e o carinho dos adeptos mais saudosistas, foi numa tarde chuvosa de Outubro de 1965, onde em pleno Estádio da Luz, o Benfica de Eusébio e companhia foi derrotado, e de que maneira, por um Sporting onde luzia um inspirado Lourenço.

Marcou quatro golos, cada um mais inspirado que o outro e garantiu um histórico poker e vitória sportinguista por 2×4. O Sporting conquistaria esse campeonato e essa vitória foi de tal forma histórica, que só em 1985/86 os leões voltariam a vencer novamente o rival no estádio deste em jogo a contar para o Campeonato Nacional.

A 17 de Outubro de 1965, o avançado do Sporting, Lourenço, marcou quatro golos no Estádio da Luz, proeza que nenhum outro jogador português se pode gabar. Naquela tarde, o Sporting foi ao “ninho da águia” obter uma das mais saborosas e retumbantes vitórias de sempre sobre o seu velho rival.

O Sporting apesar de já ter cedido dois empates na prova em curso, atravessava um grande momento depois de ter despachado da Taça das Cidades com Feira os franceses do Bordéus, com duas goleadas e nessa tarde histórica alinhou com: Carvalho; Morais, Alexandre Baptista, José Carlos, Hilário; Dani e Peres; Ferreira Pinto, Lourenço, Figueiredo e Oliveira Duarte.

Logo aos 16 minutos Lourenço deu o mote inaugurando o marcador, mas dois minutos depois Eusébio empatou e só a 5 minutos do intervalo o Sporting se voltou a adiantar no marcador, novamente por intermédio de Lourenço, na altura um jovem de 23 anos a fazer a sua segunda temporada em Alvalade.

Na 2ª parte o Benfica tentou reagir, mas a defesa do Sporting demonstrou sempre grande solidez e segurança, cabendo ao endiabrado Lourenço arrumar a questão com mais dois golos marcados aos 68 e 77 minutos, numa tarde verdadeiramente inesquecível para ele.

A 2 minutos do fim Torres ainda reduziu, fixando o resultado final em 4-2, que deixou os benfiquistas a queixarem-se da ausência do guarda-redes Costa Pereira, substituído por um Melo de baixa estatura, que levou para casa dois chapéus do inspirado Lourenço.

Esta vitória foi decisiva na atribuição do título de Campeão Nacional daquela temporada, que o Sporting acabou por ganhar com apenas um ponto de vantagem sobre o Benfica, inviabilizando ali a primeira tentativa do seu grande rival, de igualar o histórico tetra, que nessa altura só o Sporting tinha conseguido.

Foi tanto mais importante porque o êxito foi alcançado na fase gloriosa do Benfica europeu, cuja linha avançada era constituída por José Augusto, Eusébio, José Torres e Simões. Foi uma tarde memorável para o Sporting, com o próprio Lourenço, para quem a exibição que fez nem foi das mais conseguidas da sua carreira: “Fizemos um jogo espectacular do ponto de vista colectivo, tudo nos saiu de feição. Individualmente, tive melhores exibições do que essa. Mas naquele dia o meu índice de aproveitamento das oportunidade é que esteve quase a cem por cento.”

Aliás, Lourenço considera que o Sporting podia ter esmagado o Benfica e bater o famoso recorde de 7-1 obtido vinte e um anos depois, em Alvalade. “Houve colegas meus que foram egoístas e que quiseram até fazer golos da linha de cabeceira quando eu estava sozinho na área.
Chamei a atenção do Peres e ele respondeu-me que eu já tinha marcado quatro e que também ele queria marcar. O Oliveira Duarte chegou a estar em situações de superioridade de 3×2 e não me passou a bola. Teria sido um massacre!…”

Data: 17/10/1965
Local: Estádio da Luz
Evento: Benfica (2-4) Sporting, CN - 6ªJornada

Artigos relacionados

Subscreva
Notify of
guest

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
0
Partilhe a sua opinião!x
()
x