RUGIDO VERDE

Levantar e levantar de novo, até que os cordeiros se tornem Leões!

Domingo, Janeiro 26, 2020

“I don’t love you, Jesus”

Hoje vou experimentar uma coisa interessante. Vou abordar um tema, sendo que parte fulcral dele se vai desenrolar depois de eu escrever sobre o mesmo. Significa isto que quem estiver a ler esta crónica, está a ler algo desatualizado. No entanto, eu prefiro pensar que estão a ler algo livre de qualquer enviesamento, já que eu não sei o que vai acontecer – logo, não estou nem feliz, nem ressabiado com o desenrolar dos acontecimentos.

Vou então ao assunto: o buzz à volta de Jorge Jesus e o “seu” Flamengo. Um tema que tem mais projeção em Portugal do que muitas narrativas, mais relevantes, relativas a clubes nacionais, que vêem um clube brasileiro ter todo.

Ora, poder-se-á argumentar (legitimamente) que só é dada esta ênfase ao Flamengo de Jorge Jesus, porque se está a falar de um português a ter sucesso no estrangeiro e tem de se dar valor a isso. Quanto a isto, eu não posso argumentar nada, porque concordo que o sucesso nacional, fora de portas, deve ser enaltecido. Mas, mesmo tendo isto em conta, não se estará a exagerar um pouco na atenção dada ao clube do Rio?

Jorge Jesus chega a um Flamengo que não está a fazer uma grande época, revoluciona o sistema de jogo da equipa e está à beira de ser campeão (que vai ser) e de vencer a Copa Libertadores – a maior competição da América do Sul. Isto é factual, não dá para rebater. É o chamado veni, vidi (e quase) vici. Agora, honestamente (e pondo o leitor à vontade para me contrariar, caso ache que esteja errado), alguém duvida que outros treinadores portugueses, com a diferença de orçamento e qualidade do plantel que o Flamengo tem perante as restantes equipas brasileiras, não fariam a mesma coisa?

Eu admito a possibilidade de estar redondamente enganado sobre isto, mas a verdade, é que não se ouve a ressalva das vantagens orçamentais quando se vê a imprensa de joelhos perante Jorge Jesus. O mérito existe, mas é completamente exagerado pela comunicação social, a quem só falta criar um reality-show para acompanhar a vida de JJ, 24 sobre 24 horas.

Agora, tenho de fazer as perguntas:

Não acham que a opinião da comunicação social (e, infelizmente, por consequência, a opinião pública) sobre Jorge Jesus, só sofreu um rombo durante o período em que foi treinador de um clube específico?

Não acham que a arrogância, o egocentrismo e as tiradas habituais do mister, entre 2015 e 2018, foram muito mais criticadas?

Eu acho.

Também acho que não é coincidência um dos maiores fomentadores e causadores da golpada que levou o Sporting a ficar como está, estar a ser tão enaltecido por este Portugal(zinho) fora.

Ah, e também acho que qualquer Sportinguista que esteja a entrar neste comboio de pessoas de joelhos perante JJ, devia ter um bocadinho mais de amor-próprio.

Porquê? Porque agora enaltecem um treinador que é igual a si próprio, espalhafatoso, enérgico e ativo, mas quando precisaram que ele fosse assim, ele recostou-se no banco de suplentes do Marítimo enquanto deixou jogadores lesionados em campo. Lembra-se disso? Ou já se esqueceram?

Jorge Jesus, a apanhar Sol na Praia de Copacabana.
Ou não?

Eu não me esqueço, e a quem contribui para que se faça mal ao Sporting, só desejo mal. Não estou a dizer que desejo problemas de saúde ou familiares a Jorge Jesus. Mas estou a dizer que estimo que perca os jogos todos em que competir. Não perdoo certas atitudes, nem certas traições.

E muito menos tenho respeito por oportunistas que passam a perna ao Sporting Clube de Portugal.

Finalizo, relembrando o meu primeiro parágrafo. Caro leitor: recorde que eu escrevo isto sem saber qual o resultado da final entre River Plate e Flamengo. E embora, por esta altura, seja claro qual o desfecho que eu preferia, não escrevo isto por mesquinhez relativamente ao possível sucesso do Flamengo.

Escrevo por mágoa com quem fez mal ao Sporting Clube de Portugal e por mágoa com um país que enaltece todos os que o fazem.

Artigos relacionados

Notify of
GreenMarquis
Visitante
GreenMarquis

Temos um treinador tuga que venceu 4 ligas dos campeões (todas pelo mesmo clube).
Esse treinador saiu do carnide e treinou igualmente o Sporting.

No entanto, esse treinador nunca foi idolatrado, e muitos nem sabem das suas conquistas.
Se calhar a liga dos campeoes africana não é tão popular. Ou se calhar é porque não se chama JJ.

jorge mendes
Visitante
jorge mendes

um país de imbecis e sócios de um clube de memória curta….. por isso, tem o que merecem.

Tomas
Visitante
Tomas

Ele foi assim durante os 3 anos que cá esteve. Esse ego gigante teve um papel importante na época 15-16 e nos jogos de grande personalidade que fizemos contra colossos do futebol europeu. Ao focar-me nos defeitos do homem, agora que não está no Sporting, estarei a ser exatamente igual aqueles que só viam os defeitos do homem quando estava no Sporting.

%d bloggers like this: