RUGIDO VERDE

Levantar e levantar de novo, até que os cordeiros se tornem Leões!

Quarta-feira, Maio 12, 2021

Neste dia… em 2015 – Sporting vence Nacional com bis de Montero

Montero bisou e carimbou a Champions

O Sporting garantiu o terceiro lugar da Liga Portuguesa e a respetiva presença no play-off da Liga dos Campeões, um dos dois objetivos que faltam concretizar para o resto da temporada. A missão só foi bem-sucedida a partir do momento em que Marco Silva, privado de Slimani e Nani, lançou Carrillo para desatar o nó.

O resto foi obra de Fredy Montero que manteve a veia goleadora demonstrada na última ronda e vai aproveitando a ausência do argelino para somar golos no ranking dos melhores marcadores da equipa.

Marco Silva pedira, no lançamento da receção aos madeirenses, uma equipa agressiva e concentrada desde o apito inicial, talvez na expectativa repetir o desenlace de Moreira de Cónegos em que os leões marcaram nas primeiras vezes em que chegaram à baliza contrária.

Para cumprir o plano de viagem manteve, no eixo do ataque, a dupla formada por Tanaka e Montero, que vinha de pé quente após ambos terem molhado a sopa diante do Moreirense.

A ideia ficou-se, no entanto, pelo papel já que o leão foi tudo menos autoritário durante os primeiros 45 minutos.

Sem ideias, lento de processos e colocando-se a jeito para um eventual golpe que só não aconteceu porque Rui Patrício foi (uma vez mais!) enorme na baliza e fechou a porta a Tiago Rodrigues.

A imagem que melhor ilustra esta ideia aparece já em cima do intervalo, altura em que o Sporting colocou efetivamente algum perigo junto da baliza de Gottardi na sequência de um pontapé de canto.

Mas nada de muito elaborado, até porque este leão não parecia dado a grandes tricotados.

Antes disso apenas uma cabeçada de Fredy Montero, ao lado, e um pontapé na atmosfera de Tanaka arrancaram bruas de emoção dos adeptos.

Pelo meio houve erros na primeira fase de construção, alguns deles graves, aproveitados pelo Nacional para chegar-se à frente, embora sem a astúcia necessária para aproveitar o ‘molenguice’ do leão.

Curto, muito curto para 45 minutos. 

Carrillo transfigura equipa

Faltava nervo, agressividade e ideias ao jogo do Sporting e, por isso, Marco Silva recorreu ao banco de suplentes para acrescentar esses elementos à fórmula leonina.

Adrien e André Carrillo mudaram totalmente a face do jogo, tanto que nos primeiros minutos da segunda parte o Sporting já tinha produzido mais do que em todos os primeiros 45 minutos.

Sintomático.

Os primeiros ventos de mudança foram, inclusivamente, dados pelo peruano, transpondo para o relvado equações a que os madeirenses não estavam habituados.

Não há forma de dissociar a entrada de Carrilo da melhoria significativa no futebol dos leões, até porque foi dos seus pés que saiu a assistência para o golo de Montero que colocou o Sporting na frente, ainda antes do quarto e hora da segunda parte.

A equipa subiu de rendimento puxada pelo peruano e, com isso, apareceram as individualidades que até então tinham andado desaparecidas.

Mané e Montero, jogadores que desenharam o segundo golo, são os casos mais evidentes do novo rosto do leão.
 
‘El Avioncito’ não fez greve 

Do outro lado, Manuel Machado foi introduzindo elementos novos, mas não mais conseguiu nivelar o jogo como havia feito na primeira parte.

O que fica do resto do jogo madeirense é um novo remate de Tiago Rodrigues, logo nos primeiros instantes do recomeço, ao lado da baliza de Rui Patrício.

A maior parte do tempo foi, de resto, passada em dificuldades no seu meio campo e sem ponto de fuga que servisse de atalho para as redes leoninas.

Só nos últimos minutos a equipa de Manuel Machado conseguiu chegar-se à frente, explorando os corredores, mas acabaria por ser Montero, após jogada de Carlos Mané, a vestir o fato de goleador e ultrapassar Slimani como melhor marcador dos leões na temporada.

A missão insular era, à partida, complicada, já que para manter a intensidade da chama europeia o Nacional tinha de fazer o que ainda não foi feito esta época: derrotar o Sporting em Alvalade em jogos para a Liga.

A primeira parte prometeu, mas acabou por não ser suficiente. O Sporting ficou com os três pontos, garantiu o terceiro lugar e carimbou a presença no play-off da Liga dos Campeões.

E pelo meio parece ter recuperado um goleador que andou meses e meses nas ruas da amargura.

DESTAQUES

FIGURA: Montero
É um goleador. Tem faro de golo. Sabe onde se colocar e sabe mexer-se. É capaz de estar meses sem marcar, mas não deixa de tentar. Quando encarrila, também conta com Carrillo e com Carlos Mané. E esta noite em Alvalade voltou a marcar dois golos, aos 57 e aos 90 minutos, depois de na jornada passada em Moreira de Cónegos também ter bisado.

POSITIVO: Marco Silva acertou nas substituições, depois de ter errado no onze. O Sporting da primeira parte não fez frente ao Nacional. Ainda que os primeiros 45 minutos, no geral, tenham sido fracos. Marco Silva percebeu isso e ao intervalo mudou a equipa: fez entrar Adrien Silva e André Carrillo para os lugares de Uri Rosell e Diego Capel. Ganhou o jogo com esta mudança e o Sporting também. Além disso, o play-off da Liga dos Campeões ficou seguro.

NEGATIVO: Cosme Machado quis deixar jogar, mas acabou por não ser justo. Foram várias as faltas que o árbitro de Braga não assinalou, para ambos os lados. Umas que mereciam cartão, por exemplo pela agressividade. Aos 81 minutos, Boubacar teve mesmo de sair após falta dura de Montero e Cosme Machado não puxou do cartão.

OUTROS DESTAQUES:
Carrillo: este sábado houve mesmo Carrillo. Tem por hábito ser assim quando começa no banco. O peruano entrou ao intervalo para lugar do adormecido Diego Capel e fez esquecer a primeira metade do jogo. Com garra e velocidade deu trabalho a Marçal e a Freire. Aos 49 e aos 53 minutos teve o golo nos pés, aos 57 deu-o a Montero.

Tiago Rodrigues: foi o alvinegro mais chato para os leões, mas Cédric e Paulo Oliveira – numa grande noite – foram sempre chutando «para canto» o atrevimento de Tiago Rodrigues. Ainda assim, as melhores oportunidades do Nacional saíram dos seus pés. A melhor de todas, aos 29 minutos, quando obrigou Rui Patrício a grande defesa.

Fonte: maisfutebol.iol.pt

Fonte: zerozero.pt

Data: 02/05/2015
Local: Estádio José Alvalade
Evento: Sporting (2-0) Nacional, CN - 31ª Jornada

Artigos relacionados

Subscreva
Notify of
guest

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
0
Partilhe a sua opinião!x
()
x