RUGIDO VERDE

Levantar e levantar de novo, até que os cordeiros se tornem Leões!

Sábado, Setembro 19, 2020

Neste dia… em 1992, o Sporting vencia o Grasshoppers em Zurique por (1-2).

O Sporting foi a Zurique vencer o Grasshoppers por 2-1 e quase garantiu o passaporte para a segunda eliminatória da Taça Uefa.

A equipa sportinguista apresentou-se com a equipa habitual, não prescindindo dos dois pontas-de-lança, Juskowiak e Cadete.

Onze inicial. Em cima, da esquerda para a direita: Leal, Cadete (cap), Barny, Juskowiak, Valckx e Sérgio Louro. Em baixo, pela mesma ordem: Marinho, Balakov, Peixe, Figo e Filipe.

A equipa suíça teve um forcing inicial, algo que era esperado, afinal jogava perante o seu público, mas sensivelmente a meio do primeiro tempo, a equipa do Sporting já tinha equilibrado as operações por completo. No entanto, um período de menor acerto por parte da defensiva leonina, fez a equipa passar por momentos de grande apuro. Nesta altura, valeu Sérgio, que esteve sempre muito bem na baliza, mostrando-se à altura do titular, Ivkovic.

O brasileiro, Élber, foi o mais irrequieto do ataque suíço. O internacional júnior brasileiro teve nos pés a melhor oportunidade do Grasshoppers na primeira parte, mas desperdiçou com a baliza à sua mercê.

Aos 35 minutos e coroando um período de maior pressão, a equipa da casa  chegou à vantagem na sequência de uma grande penalidade, por falta cometida por Leal sobre Magnin, que não deixou margem para dúvidas.

O avançado internacional suíço, Alain Sutter, foi encarregue de marcar a penalidade e não deu quaisquer hipóteses ao guarda-redes do Sporting. Sérgio ainda adivinhou o lado da bola, mas o remate era indefensável.

Faltavam ainda dez minutos para o intervalo, e temia-se pela reação da equipa leonina após sofrer este golo. No entanto a formação de Bobby Robson, reagiu da melhor forma e lançou-se abertamente ao ataque.

Marinho, uma excelente exibição esta noite em Zurique, proporcionou a Figo o primeiro remate de grande perigo para as redes do Grasshoppers. Figo também ele com uma bela exibição, foi sempre um quebra-cabeças para os helvéticos.

A equipa leonina tomava nesta altura conta do jogo, e a cinco minutos do intervalo, Luis Figo, depois de ludibriar Herman, com uma finta de corpo, teve um remate perigosíssimo a obrigar o guarda-redes adversário a realizar uma grande defesa.

O Sporting crescia nesta altura da partida e adivinhava-se que pudesse chegar rapidamente ao golo da igualdade.

Igualdade que chegou mesmo em cima do intervalo (44’). De novo uma jogada iniciada por Figo, que endossou a bola a Filipe, que desmarcou de imediato Leal no flanco esquerdo. O longilíneo esquerdino foi à linha de fundo e cruzou na perfeição para Balakov fazer um golo de belo efeito, de cabeça. Fazia-se justiça no marcador e tudo ficava em aberto para a segunda parte.

No reatamento a equipa leonina voltou a surgir muito personalizada, tomando por completo as rédeas do jogo. Ao Grasshoppers o único caminho a seguir era o contra ataque, normalmente conduzido por Elber, que nesta segunda parte esteve sempre muito bem vigiado por Pedro Barny.

Sporting também tentava acercar-se com perigo, e Valckx foi o primeiro a tentar a sua sorte, no entanto a bola saiu com pouca força para as mãos de Zuberbühler. A defesa sportinguista estava também em grande plano neste período de jogo, utilizando muitas vezes do sistema de colocar os avançados contrários em fora de jogo.

Aos 36 minutos, o Grasshoppers, teve um golo bem anulado pelo árbitro francês Philippe Leduc, pois 3 jogadores da equipa da casa encontravam-se em situação irregular.

Mas a sete minutos do final da partida, um trabalho excepcional de Balakov no flanco esquerdo, ofereceu de bandeja o golo a Juskowiak. O melhor marcador do torneio olímpico de Barcelona não se fez rogado e colocou o Sporting em vantagem na eliminatória. Era a vantagem lógica para a melhor equipa em Zurique.

Mesmo em vantagem, a equipa leonina não se mostrou satisfeita e procurou ampliar o marcador. E nos últimos minutos seria o Sporting a beneficiar de um lance extremamente perigoso, interrompido pela equipa de arbitragem, que errou ao assinalar fora de jogo a Balakov, que seguia isolado para a baliza suíça. O jogador búlgaro encontrava-se em posição legal na altura do passe de Figo.

Final do jogo em Zurique.

Após este lance o árbitro deu por finalizado o jogo. O Sporting garantia assim uma vitória extremamente importante que praticamente lhe dava acesso à segunda ronda da Taça Uefa.

Ficha do jogo:

Estádio: Hartdurm

Público: 15000

Árbitro: Philippe Leduc (França)

Grasshoppers : Pascal Zuberbúhler; Ramon Vega, Harry Gâmperle, Alain Sutter, Ciriaco Sforza, Joêl Magnin (Cantaluppi 84′), Heinz Hermann, Thomas Bickel, Grétarsson, Giovane Élber, Adrian de Vicente (Yakin 86′).

Treinador: Leo Beenhakker

Sporting: Sérgio; Marinho Costa, Valckx, Barny, Leal; Peixe, Figo, Filipe e Balakov; Cadete (Amaral 74′) e Juskowiak (Capucho 89′).

Treinador: Bobby Robson

Golos: Alain Sutter (36′), Balakov (44′) e Juskowiak (82′)

Resumo do jogo.

Data: 16/09/1992
Local: Estádio Hartdurm em Zurique
Evento: Grasshoppers (1-2) Sporting, 1992/93 - 1ªEliminatória da Taça Uefa

Artigos relacionados

Subscreva
Notify of
guest

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
0
Partilhe a sua opinião!x
()
x