RUGIDO VERDE

Levantar e levantar de novo, até que os cordeiros se tornem Leões!

Sexta-feira, Agosto 07, 2020

Último jogo em Alvalade esta época não vai além de um nulo

Sporting 0-0 Vitória Futebol Clube

Penúltima jornada desta longa temporada de 19/20, um campeonato que não deixa saudades, com o Sporting a uns tristes 20 pontos do campeão nacional FC Porto.

Para este jogo, frente a um Vitória de Setúbal bastante aflito na tabela, Rúben Amorim introduzia algumas novidades interessantes na equipa titular. As mais relevantes passariam pela inclusão de Francisco Geraldes e Tiago Tomás no ataque leonino, em detrimento de Jovane Cabral e Sporar. Nota também para a inclusão de Acuña no eixo defensivo, após ausência por castigo no estádio do dragão.

O jogo começou como se previa. O Vitória a posicionar todos os seus jogadores atrás da linha da bola e a dar a iniciativa de jogo ao Sporting. Foi assim, aliás, praticamente toda a primeira parte, contudo, a equipa leonina não conseguiu criar qualquer oportunidade relevante.

A única situação digna de registo ocorreu logo no primeiro minuto de jogo. Acuña fez um lançamento em profundidade à procura da desmarcação do avançado Tiago Tomás. O jovem jogador recebeu a bola à entrada a área e tentou finalizar fazendo um chapéu, mas com a bola a sair por cima da baliza de Makaridze.

O nulo ao intervalo justificava-se perfeitamente, dado a escassez de oportunidades registadas. Esperava-se uma outra resposta na segunda metade do jogo.

A verdade é que a segunda parte recomeçou da mesma forma, sem chances de golo. Só aos 67 minutos é que surge uma oportunidade digna desse nome. O Sporting tentava mais uma vez entrar dentro da área sadina, mas sem sucesso devido à acumulação de jogadores adversários no último terço do terreno. Foi então que Acuña recebeu a bola e arriscou o remate de meia distância com o esférico a sair com muita força e com o guardião Makaridze a defender com enormes dificuldades a dois tempos.

A última boa oportunidade do jogo foi…do Setúbal aos 91 minutos. Aproveitando a vontade do Sporting em querer a sair a jogar desde a sua área, a equipa vitoriana fez uma pressão alta, conseguindo que Wendel errasse o passe e oferecesse a bola a Zequinha. Dentro da área, o atacante rematou, mas para defesa atenta de Max.

O jogo terminou como começou, a zeros. Foi uma partida muito fraca, em que o Vitória conseguiu exatamente o que procurava, o empate, e o Sporting nunca conseguiu criar oportunidades para se adiantar no marcador. Pede-se muito mais e melhor à equipa de Rúben Amorim!

Análises Individuais:

Maximiano (Nota 5) – Pouco ou praticamente nenhum trabalho. Nota apenas para uma defesa aos 91 minutos a remate de Zequinha.

Acuña (Nota 6) – Regressou à equipa e protagonizou, provavelmente, o remate com maior perigo do Sporting durante todo o encontro.

Coates (Nota 6) – O patrão da defesa cumpriu, sem grande luta dos homens mais avançados do Setúbal. Fez o seu jogo 200 no Sporting.

Eduardo Quaresma (Nota 6) – Outro dos centrais sem grande trabalho hoje.

Nuno Mendes (Nota 5) – Hoje não esteve particularmente em evidência. Subiu algumas vezes ainda assim, à procura de apoiar o ataque.

Ristovski (Nota 5) – Muito preso e pouco em jogo. Saiu ao intervalo e não deixou saudades.

Matheus Nunes (Nota 5) – Muito pouco trabalho, já que o Vitória pouco subiu no terreno. Limitou-se a cumprir o seu posicionamento e a controlar as escassas saídas rápidas vitorianas.

Wendel (Nota 5) – Tentou por algumas vezes aplicar o seu pontapé mas sem criar qualquer perigo. “Ofereceu” a melhor oportunidade ao Setúbal durante o jogo ao entregar a bola a Zequinha na grande área, aos 91 minutos.

Gonzalo Plata (Nota 5) – Quer a extremo, quer a ala, poucos desequilíbrios tem feito. Muito para crescer.

Francisco Geraldes (Nota 6) – Foi dos mais inconformados e tentou várias vezes abanar o jogo no ataque, com passes de rutura ou iniciativas individuais em velocidade. Mas ainda não foi hoje que foi decisivo num jogo com a camisola do Sporting.

Tiago Tomás (Nota 5) – Jogou o jogo todo. Teve nos pés a melhor oportunidade na primeira parte mas o “chapéu” saiu por cima. De resto pouco se viu.

Vietto (Nota 6) – Regresso do avançado argentino após alguns jogos de ausência por lesão. Mexeu um pouco com o jogo e até fez um remate enquadrado aos 65 minutos.

Joelson Fernandes (Nota 5) – Jogou cerca de meia hora e tentou algumas jogadas individuais, sem sucesso.

Pedro Mendes (Nota 5) – Foi o último a entrar no Sporting. Não se notou a sua presença.

Rúben Amorim (Nota 5) – Segundo jogo sem ganhar, deveria fazer Rúben Amorim refletir sobre o quê que está a falhar. Equipa completamente apática, mesmo contra um adversário bastante fraco, que pouco incomodou. A ausência de Jovane e mais um ou outro jogador não é desculpa.

Artigos relacionados