RUGIDO VERDE

Levantar e levantar de novo, até que os cordeiros se tornem Leões!

Quarta-feira, Outubro 16, 2019

A Guerra de 1906

Lembram-se da épica rábula da Guerra de 1908 de Raúl Solnado? Procurem recordar, pois vai dar jeito ao longo deste texto.

Na anterior crónica, constatei a óbvia ingovernabilidade do barco Sportinguista, fruto de todo o clientelismo que se vai acotovelando na ânsia de chegar ao balcão para fazer o pedido. E entendi, inclusive, que os mais distraídos tenham sido levados a pensar que dali em diante a conversa na esfera Sportinguista se pudesse centrar mais no futebol, do jogo pelo jogo, do que em quezílias mais ou menos prosaicas sobre governance.

Contudo, e como tem sido apanágio desta direcção, tal não teve sequer hipótese de suceder. Frederico Varandas, ou alguém por ele, decidiu que deveria passar uma mensagem aos sócios e adeptos Sportinguistas. Por princípio, até que seria uma boa ideia, mas se há coisa que já todos percebemos é que Frederico Varandas, com um microfone à sua frente, se compara a um pirómano que tenha fósforos num bolso, em pleno dia de Verão, no meio de uma floresta.

E a coisa até que nem ia mal de todo, tendo uns bons 30 segundos de eloquência, galvanização e confiança. Para dar uma referência visual, até ao aparecimento da infame mosca, tudo estava a correr de feição. A partir dali, com a ajuda do som de fundo de martelos pneumáticos e trabalhadores aos gritos, começou a descambar. Logo pela explicação sobre a saída de Keizer. Como na rábula, escolheu mal o cavalo e encheu a guerra de moscas.

Resultado de imagem para tiro no pé

Referir-se a jogadores que saíram como “lastro” e que “não foi fácil tirar estes jogadores daqui”, não abona muito a favor de quem gere uma entidade empregadora da natureza do Sporting Clube de Portugal. Aliás, qualquer pessoa que já tenha trabalhado a sério, que já tenha participado do mundo real, sabe que é péssima ideia falar nestes termos de ex-colaboradores/superiores. Mais, o próprio Frederico Varandas deveria perceber isto na perfeição, afinal tentou florear o seu percurso de subida árdua com a peripécia dos 800 euros enquanto funcionário de Vitória de Setúbal.

No mundo do futebol então, onde os amores e desamores mudam à velocidade de uma transferência bancária, além de ser de bom tom, é absolutamente mandatório. Basta ver o caso de Ilori, Vietto ou Jesé. É que nenhum destes jogadores, segundo as ideias passadas por Varandas, poderia representar o Sporting. Por outro lado, há uma boa hipótese de passarem a ser eles o “lastro” … Assim, quando quiser ser “curto e grosso”, senhor Varandas, seja com quem lhe deve trabalho ou obrigações e não com quem já saiu. É essa uma das linhas entre a coragem e a cobardia! Como diria a mãe do Solnado, “o meu filho vai a pé, mas vai limpo”.

Ainda na mesma entrevista, teve Varandas uma vertiginosa subida de tom e raiva, que a sua verve infelizmente não conseguiu acompanhar. Entre fossos, esqueletos, pedras e cães a ladrar, traçou um cenário apocalíptico de subida dos infernos, qual herói de guerra emboscado por inimigos. O que parece ter esquecido é que ninguém o chamou para a contenda. Que me lembre foi um dos pioneiros das rescisões e até se apresentou como alternativa ainda antes de haver eleições.

Em boa verdade, nem a maioria dos votantes o quiseram como companheiro de armas. Alguém lhe terá dito que era fácil? Pois se disseram, enganaram-no, e convém ter em mente que cada vez vai ser mais difícil. Ou será que Varandas pensava que governar o Sporting fosse tão fácil como estar de rádio junto à orelha durante uma emboscada talibã?

Meu caro, isto não é a guerra de 1908 retratada pelo Raúl Solnado, é um pouco mais duro. Será que se enganou na porta? Aqui é mesmo a guerra de 1906. A Eduarda Proença de Carvalho, neste caso, fez de senhora que estava a vender castanhas, mas parece que se equivocou ao indicar a porta ao militar Varandas.

Na sanha persecutória da maldição das contas, sentiu Salgado Zenha necessidade de falar da parceria com Jorge Mendes. Frisou que o Sporting não comprou jogadores com Jorge Mendes, apenas vendeu, e aludiu ao trabalho deste nas operações de Rui Patrício, Podence, Gelson e Thierry, classificando esses negócios como “interessantes”. Não falou foi da iminência de nos transformarmos num Sportinghampton.

Recordam-se da bala presa à guita na guerra do Solnado, em que este puxando a guita reavia o projéctil? Pois estes negócios do Mendes são incrivelmente semelhantes, mas nem o Zenha possui a habilidade de Jorge Mendes, nem a guita é do mesmo material. E tal como avisava o Capitão (não o de Kandahar, o da rábula): parte-se a guita, perde-se a guita, perde-se a bala…é tudo prejuízo!!!

Mas a culpa de tudo isto será do soldado Varandas? Diria que não. Parte dessa culpa está com os conferencistas Henrique Monteiro, Rita Garcia Pereira, Teives, entre outros. Decidiram dar apenas 7 balas aos Sportinguistas e mandaram-nos para combate. Como não resultou da melhor forma, vestiram o soldado preferido de organdi, com laços cor-de-rosa e mandaram-no bater à porta do inimigo para pedir os planos da pólvora. Só que a pólvora, essa, já estava inventada há muito. E o avião, que pensavam ingenuamente poder ser de uso comum, quando está ao nosso serviço só vem municiado de pólvora seca.

P.S. – Nem de propósito, e por falar em pólvora seca, enquanto escrevia estas linhas a direcção do Sporting Clube de Portugal emitiu um comunicado sobre o E-toupeira. Portanto, não recorreram do despacho de não pronúncia, o que me leva a admitir que presumiram a inocência da Benfica SAD, mas manifestam-se perplexos com a decisão do Tribunal da Relação? Enganou-se mesmo na porta da guerra…

Artigos relacionados

Notify of
Leão Comuna
Visitante
Leão Comuna

Muito bom, muito bom mesmo.

Imagino toda essa pólvora seca, toda essa coragem escondida, todo esse know how ao serviço da paz mundial.

Reza a lenda que o homem da rádio, o soldado do relato da bola naquela tarde seca e árida de Kandahar, continua a assombrar aquelas paragens.

Creolina de Alvalade
Visitante
Creolina de Alvalade

Excelente analogia.

Neca Pinto
Visitante
Neca Pinto

Excelente crónica.
Não sei como o Ricardo Araújo Pereira ainda não pegou neste personagem para o seu programa Gente que não Sabe Estar . É que teria ali material do bom para muita risota.

HULK VERDE
Visitante
HULK VERDE

Aqueles mujahidins da imagem são muito elegantes e têm muito glamour, perfeitos para contracenar com o Dr. Marquises na curta-metragem produzida pela LPM. Vá lá, nem todo o casting foi mau.

Peyroteo
Visitante
Rei Leão

Magnífico texto. Fez melhor figura o solnado na guerra de 1908 do que faz o varandas nesta guerra que é o Sporting. O homem de cada vez que fala mostra que não está preparado para esta empreitada e prova aquilo que todos vemos nos seus actos. Quanto ao e-toupeira, todos sabemos que com outra pessoa à frente do clube talvez não tivesse sido tão fácil darem a volta ao caso.

Babalu, um leão como tu
Visitante
Babalu, um leão como tu

Está fantástico. Muitos parabéns!
Varandas, um herói da onda média. Cada dia que passa é só mais um prego.

Ir para a barra de ferramentas